Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image

BeiraNews | Junho 17, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Pacto territorial entre comunidade Beiras e Serra da Estrela e associações locais

Pacto territorial entre comunidade Beiras e Serra da Estrela e associações locais
José Lagiosa

A Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela (CIM-BSE) e as cinco associações de desenvolvimento local existentes na sua área assinaram, hoje, na Guarda, um pacto territorial para promoverem ações de forma articulada.

O pacto territorial “Beiras e Serra da Estrela – Estratégias Concertadas” foi rubricado no decorrer de uma sessão realizada na Sala António de Almeida Santos, no edifício da Câmara Municipal da Guarda.

Assinaram o documento a ADERES – Associação de Desenvolvimento Rural Estrela-Sul, a ADRUSE – Associação de Desenvolvimento Rural da Serra da Estrela, a PróRaia – Associação de Desenvolvimento Integrado da Raia Centro Norte, a Raia Histórica – Associação de Desenvolvimento do Nordeste da Beira e a RUDE – Associação de Desenvolvimento Rural.

Segundo o documento, o acordo pretende estabelecer “uma linha de trabalho” entre as partes signatárias em áreas temáticas contempladas no Plano Estratégico de Desenvolvimento Intermunicipal, que poderão ser comuns às Estratégias de Desenvolvimento Local de Base Comunitária.

A ação abrangerá áreas como inovação, internacionalização e atração de investimento produtivo, turismo e agroindústria, logística, mobilidade e serviços básicos, capital humano e modernização administrativa, saúde, terceiro setor e desenvolvimento social.

O presidente da CIM-BSE, Vítor Pereira, afirmou aos jornalistas que a celebração do pacto territorial “é uma questão elementar”.

“Nós temos um território vasto, um território onde temos importantes associações de desenvolvimento local e entendemos que essas associações de desenvolvimento local existentes no nosso território devem trabalhar concertadamente connosco e nós concertadamente com elas”, justificou.

O também presidente da câmara da Covilhã referiu que o pacto significa “uma questão de cooperação, de interação” entre as partes envolvidas, para que a ação no território seja realizada de “forma articulada”.

Explicou que a CIMB-SE tem um plano de ação e aquelas associações têm o seu plano estratégico de desenvolvimento comunitário local e a intenção é “concertar” o trabalho para que não haja sobreposição de tarefas.

“Por outro lado, e no que diz respeito ao modelo de governança, vamos criar um Conselho Executivo – elas [as associações] já fazem parte do Conselho Estratégico -, como está plasmado no acordo, que reunirá trimestralmente para atualizar o nosso trabalho e para irmos desenvolvendo a nossa estratégia”, adiantou Vítor Pereira.

Segundo o autarca, o acordo tem também a perspetiva da promoção do território não só a nível nacional como também internacional, através da presença em feiras e em eventos “que sejam importantes” para o território.

A CIMB-SE é constituída por 12 municípios do distrito da Guarda (Almeida, Celorico da Beira, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Guarda, Gouveia, Manteigas, Meda, Pinhel, Seia, Sabugal e Trancoso) e por três do distrito de Castelo Branco (Belmonte, Covilhã e Fundão).

*Com Lusa

 

Comentar