Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Maio 27, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Ex-ciclista do Cantanhede optou por viver em Castelo Branco

Carlos Castela

Há pouco mais de um ano a viver em Castelo Branco, Paulo Duarte integrou a equipa da Sociedade Columbófila de Cantanhade onde participou numa Volta a Portugal e onde pedalou com nomes bem conhecidos do ciclismo nacional, como Nelson Vitorino.

Hoje com 36 anos de idade, este jovem que abandonou prematuramente o ciclismo por motivos de saúde, recorda a sua curta carreira no ciclismo nacional.

Natural de Anadia, Paulo Duarte veio viver para Castelo Branco, onde vive e trabalha atualmente, após ter-se casado com uma albicastrense.

Tendo como grande paixão o ciclismo, iniciou-se como amador aos 17 anos de idade, onde participava a título individual nas provas da região de Anadia. Como os resultados começaram a surgir, Paulo Duarte estendeu o seu raio de ação e começou a participar em provas um pouco por todo o país.

“Cheguei a ir para Santa Maria da Feira de bicicleta, participar numa prova local e regressar novamente à minha terra a pedalar”, refere.

Entretanto com os resultados obtidos, Paulo Duarte começa a dar nas vistas , facto que não passou despercebido aos responsáveis da Sociedade Columbófila que já tinha uma equipa profissional de ciclismo.

O jovem ciclista é então convidado para começar a treinar com a equipa do Cantanhede a qual acabou por integrar ao fim de dois anos.

Aos 22 anos de idade, Paulo Duarte participa na equipa do Cantanhede numa Volta a Portugal, tendo acabado por desistir.

Depois desta experiência no ciclismo de estrada, o jovem de Anadia decide optar pelo BTT, uma vez que a Sociedade Columbófila tinha também uma equipa de BTT, onde participou no campeonato nacional e na taça de Portugal.

Nesta modalidade, Paulo Duarte manteve-se no top 10, tendo alcançado um terceiro lugar no campeonato regional da modalidade em Aveiro.

O jovem ciclista mantém-se até aos 26 anos na equipa de BTT da Sociedade Columbófila, tendo e então abandonado por motivos de saúde. “Foi um abandono precoce”, diz à Gazeta do Interior com alguma tristeza espelhada no rosto.

Contudo, a paixão pelo ciclismo não esmoreceu e Paulo Duarte continuou sempre ligado às duas rodas e a esta modalidade participando em passeio de cicloturismo.

Além disso, em 2004, Paulo Duarte decidiu partir à aventura e fez o percurso entre Sagres e Finisterra (município espanhol na província da Corunha) em BTT, tendo demorado nove dias a percorrer os 1.090 quilómetros.

Contudo, como resultado desta aventura, o jovem ciclista acabou por piorar o seu estado de saúde, nomeadamente, ao nível dos dois joelhos.

Além desta aventura, Paulo Duarte recorda ainda mais algumas, nomeadamente, as três vezes que fez o percurso em BTT entre Anadia e Santiago de Compostela (Espanha).

“Para além de gostar do ciclismo, gosto da aventura e de conhecer novas gentes e novas terras”, diz Paulo Duarte.

Presentemente, Paulo Duarte trabalha na Associação da Carapalha. Já lhe endereçaram um convite para treinar a equipa de cicloturismo daquela coletividade albicastrense, mas Paulo Duarte ainda não decidiu se irá aceitar ou não, uma vez que é necessária disponibilidade de tempo.

Comentar