Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Maio 26, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Centro Artístico comemora 107 anos de existência

Centro Artístico comemora 107 anos de existência
José Lagiosa

Foi um dia de festa para o Centro Artístico Albicastrense (CAA) a comemoração, no passado dia 23 de fevereiro, do seu 107º aniversário.

Depois da celebração, na Sé Catedral, de uma missa em memória dos sócios falecidos, foi na sede do CAA que continuou o programa das comemorações de umas das coletividades mais antigas de Castelo Branco.

A Tuna Académica da Escola Superior de Saúde Lopes Dias (TUSALD), que utiliza o salão do CAA para ensaiar, foi a primeira a atuar, trazendo muita alegria aos sócios e representantes das entidades e associações da cidade, seguindo-se a Filarmónica Retaxense.

Antes da entrega dos diplomas aos seis sócios com 50 anos de filiação, André Matias, Presidente da Mesa da Assembleia Geral do CAA, agradeceu a presença de todos e disse referindo-se ao CAA “que para além de ter enriquecido culturalmente a cidade, serve de pilar a muitos sócios que fazem desta casa o local onde passam as suas noites e onde sentem aqui a existência de uma segunda família”.

Paulo Afonso, presidente da direção do CAA, começou por agradecer, no seu discurso, o apoio que tem recebido por parte da Câmara Municipal de Castelo Branco e a Junta de Freguesia de Castelo Branco bem como de todos os sócios e corpos gerentes, manifestando que o Centro Artístico Albicastrense começa cada vez mais a ser procurado por instituições para realizarem as suas atividades.

“Queremos deixar marca na vertente artística e cultural da cidade. Não queremos ser uma coletividade que faz de tudo um pouco, dando a ideia de uma manta de retalhos. Queremos ter uma identidade e essa identidade chama-se clube de fados de Castelo Branco. Queremos e sei que vamos conseguir”, disse.

Em representação das duas autarquias albicastrenses estiveram, Fernando Raposo, vereador da Cultura da Câmara Municipal, e Francisco Lourenço, secretário da Junta de Freguesia, ambos a manifestar a vontade política das respetivas autarquias em continuar a apoiar o trabalho da coletividade.

 

 

 

 

 

Comentar