Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Maio 26, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Um olhar diferente…por José Lagiosa

José Lagiosa

Presidenciais

Já muito se disse e escreveu sobre as eleições presidenciais de 2016.

Guterres, Vitorino, Santana, Gama e tantos outros já foram apontados como potenciais candidatos a candidatos.

Uns já desmentiram, outros mantêm o tabu do costume, mas há um que sem dizer ao que vai, aqui o silêncio fala muito, vai dizendo ao que não vem.

Falo, seguramente de António Guterres. O silêncio ensurdecedor do ex-primeiro ministro português, atual Alto-Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, diz muito.

Guterres não é homem de especulações. Cala-se e decide ao que vai e o que quer, quando considera chegada a hora. Sem tabus e sem pressões. E o tempo da sua decisão, embora possa estar tomada no seu consciente, só será tornada pública, quando ele considerar que chegou o tempo certo para o fazer.

Numa ou noutra direção. Até lá, muito se pode especular. Aliás estas palavras não passam disso mesmo.

Mas há especulações e especulações. Umas são no sentido de condicionar a decisão do potencial candidato. Esta minha é, garantidamente no sentido de respeitar o homem, o amigo e o camarada. Da mesma forma que respeitei a sua decisão de demitir-se do governo, na forma e no tempo em que o fez. Mas respeitei a decisão.

Há momentos na vida de um homem, político ou não que têm de ser respeitadas.

Concorde-se ou não com elas.

Obviamente que se me perguntarem o que mais me agrada, direi que não tenho a mínima dúvida que seria ou será, vamos esperar, o grande candidato que o país pode ter.

Homem de alto sentido moral, cívico, ponderado, sensível aos problemas dos outros, solidário, seria o candidato que devolveria à Presidência da República, aquilo que deve ser este órgão de soberania.

Mas, nestas coisas há sempre um mas, resta saber qual a vontade de António Guterres.

Decida ou não candidatar-se à presidência, nada nem ninguém o condicionará. Serão, a sua consciência e vontade, que terão a palavra final.

Até lá, vou esperar que a decisão seja aquela que muitos milhares de portugueses aguardam…

Comentar