Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Dezembro 9, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Câmara do Fundão executa mais de 27 ME e reduz dívida

Câmara do Fundão executa mais de 27 ME e reduz dívida
José Lagiosa

A Câmara Municipal do Fundão executou no último ano mais de 27 milhões de euros e reduziu a dívida em cerca de seis milhões, valores que o presidente da autarquia classifica como “muito relevantes e importantes”.

“Executámos um valor, em termos absolutos, superior a 27 milhões de euros, o que equivale a uma taxa de execução de 87%, que é uma taxa de execução muito importante, sendo que este é o primeiro orçamento após o plano de ajustamento financeiro”, sublinhou Paulo Fernandes (PSD).

Durante a apresentação de contas ao executivo municipal, o autarca destacou que esta taxa de execução respeita o compromisso assumido de “alteração de paradigma” com a elaboração de orçamentos “mais ajustados à realidade” e consequentemente com taxas de execução sempre acima dos 80%.

No que concerne à dívida, especificou que, no final do último ano, o valor estava nos 75 milhões de euros, mas lembrou que, em 2012, a mesma era de quase 86 milhões.

“Nestes dois anos, tivemos uma redução de cerca de 10 milhões de euros, o que é um valor muito importante. Além disso, só no último ano a redução da dívida superou os seis milhões de euros”, ressalvou.

Paulo Fernandes sublinhou ainda que o município fundanense chegou ao final do ano com “dívida zero a 90 dias, ou seja, sem qualquer euro de pagamento em atraso”, o que, segundo disse, terá acontecido pela primeira vez nos últimos 18 ou 19 anos.

Além disso, na dívida de curto prazo, o documento também apresenta “uma redução muito significativa”.

Números que vão ser, na quinta-feira, apresentados à Assembleia Municipal e que já foram aprovados em reunião de executivo com os votos a favor da maioria e com o voto contra da vereadora do PS que esteve naquela sessão.

Ana Rita Raposo justificou o sentido de voto com o facto de os documentos terem sido disponibilizados apenas um dia antes, o que impediu uma devida análise.

*Com Lusa

 

Comentar