Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Setembro 17, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Movimento AMAlentejo quer juntar quem “ama” a região em prol do desenvolvimento

Movimento AMAlentejo quer juntar quem “ama” a região em prol do desenvolvimento
José Lagiosa

O amor pelo Alentejo está na base do movimento AMAlentejo, cuja comissão promotora é apresentada na quinta-feira, em Lisboa, que pretende juntar autarcas, ex-autarcas, empresários, artistas e representantes de entidades interessados no desenvolvimento da região.

O AMAlentejo assume-se como “um movimento plural”, aberto à participação de todos, alentejanos ou não, que tenham como “único propósito a defesa” da região.

O presidente da Casa do Alentejo, João Proença, explicou hoje à agência Lusa que o processo de criação da plataforma está na fase de arranque, sendo apresentada, na quinta-feira, em Lisboa, a respetiva comissão promotora, que deverá integrar “cerca de 30 pessoas”.

A ideia surgiu, nos últimos tempos, “com um grupo de amigos, em encontros realizados na Casa do Alentejo”, e a comissão promotora vai envolver “antigos e atuais autarcas, representantes de entidades da região, empresários e artistas”, disse.

Esta plataforma, referiu João Proença, quer juntar “quem gosta do Alentejo, quem ama a região”, porque “há muita gente a gostar do Alentejo e que tem ideias e vontade de intervir, que pode dar contributos para encontrar soluções para o desenvolvimento regional, mesmo sem ser alentejano”.

“Sabemos que vêm aí as eleições e tudo mais, mas não podemos deixar de intervir e de ter vozes no Alentejo”, defendeu, frisando, contudo, que a estrutura só deverá começar a intervir “após o período eleitoral”.

Segundo o presidente da Casa do Alentejo, onde o movimento vai ser apresentado, o AMAlentejo quer funcionar, após a sua constituição formal, como uma espécie de plataforma no âmbito da qual “se possa discutir aquilo que se pensa que será bom e que faz falta ao Alentejo, que se poderia acrescentar ao que já se está a fazer bem”.

“É um movimento que não se quer partidarizado e que vai estar virado também para a defesa do Poder Local e da boa utilização dos recursos financeiros, nomeadamente os apoios comunitários, ao dispor da região”, acrescentou.

Na nota enviada aos jornalistas a convidar para a apresentação da cerimónia a realizar em Lisboa, a Casa do Alentejo referiu que o movimento pretende ainda defender a regionalização.

“O Alentejo votou favoravelmente pela regionalização”, no referendo sobre a matéria, “e essa é uma aspiração antiga da região, mas, nesta fase, não começaremos a nossa intervenção por aí”, afirmou João Proença.

*Com Lusa

Comentar