Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Novembro 17, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Seniores de Penamacor (re)descobrem a magia das aromáticas

Seniores de Penamacor (re)descobrem a magia das aromáticas
José Lagiosa

Os alunos da disciplina de ervas aromáticas da Academia Sénior de Penamacor visitaram uma das poucas quintas no espaço urbano de Vila Nova de Gaia que pratica agricultura biológica em toda a Europa Ocidental.

A visita foi acompanhada pela professora da disciplina, Maria São José Brito.

Empresa agrícola, fundada em 2002, “Cantinho das Aromáticas” dedica-se à produção de plantas aromáticas, medicinais e condimentares.

Os alunos tiveram uma verdadeira aula em espaço natural contribuindo para o enriquecer do saber sobre o modo de produção biológico que recupera práticas e técnicas tradicionais, informa em comunicado a Adraces, entidade que acolhe a academia.

O projeto exemplar, recebeu o 1 º Prémio de Inovação para a Sustentabilidade – European Business Awards for the Environment 2011, na categoria Processo.

Este projeto agrícola tem como filosofia “partilhar para crescer”,  permitiu aos alunos da Academia Sénior de Penamacor conhecerem os campos de cultura, o armazém de secagem e preparação das produções para colocação no mercado e a loja de comercialização de produtos biológicos.

Uma oportunidade para debater e abordar aspetos técnicos das produções, da comercialização e do mercado das Plantas Aromáticas e Medicinais, que tem gerado valor acrescentado nos mercados da exportação.

A visita à cidade do Porto deu ainda oportunidade dos alunos entrarem na livraria “Lello” e conhecerem o seu ímpar valor histórico e artístico, uma das mais belas livrarias do mundo.

Hjouve ainda oportunidade para degustarem as tradicionais “francesinhas” no café centenário “Ancora D´Ouro”, mais conhecido como o “piolho”, o primeiro café no Porto a ter eletricidade e em 1957, o único a ter televisão.

Foi também o primeiro a adquirir uma famosa máquina italiana de café “La Cimbali” que deu origem ao “cimbalino”, nome que os portuenses dão ainda hoje ao café expresso.

Comentar