Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Junho 2, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Viagem Literária chega a Portalegre com Teolinda Gersão e Valter Hugo Mãe

Viagem Literária chega a Portalegre com Teolinda Gersão e Valter Hugo Mãe
José Lagiosa

Os escritores Teolinda Gersão e Valter Hugo Mãe estão à conversa hoje, em Portalegre, no âmbito do projeto “Viagem literária”, que, desde abril último, passou já por cinco capitais de distrito.

A iniciativa da Porto Editora é definida como “um festival em capítulos” e “descentralizadora”, como disse à Lusa Rui Couceiro, daquele grupo editorial.

No Centro de Artes e Espetáculos de Portalegre, às 17:00, Teolinda Gersão, que em 2013 publicou “As águas livres”, da série “Cadernos”, vai estar à conversa com Valter Hugo Mãe, autor entre outros, do romance “O filho de mil homens”, enquanto o jornalista João Paulo Sacadura modera o diálogo, em que pode também participar a audiência.

Num primeiro balanço da “Viagem literária”, Rui Couceiro afirmou que “é muito positivo”.

“As cidades acolheram esta iniciativa com entusiasmo e o público saiu muito satisfeito de todas as sessões”, disse.

“As sessões estão a funcionar exatamente como esperávamos, isto é, os autores convidados têm proporcionado conversas muito interessantes e o moderador tem sido exímio a conduzi-las”, referiu.

Das conversas já realizadas, Rui Couceiro destacou “a grande enchente em Bragança”, a cidade que até agora detém o recorde de participantes, “com muita gente, infelizmente, a ficar de fora”, e “um grupo que viajou do Porto, de propósito, para estar na sessão de Castelo Branco”, em que participaram José Eduardo Agualusa e Rosa Montero.

Quando a iniciativa foi apresentada em Lisboa, em abril passado, Rui Couceiro disse que a “Viagem literária” visava combater o esquecimento do interior do país, pelas instâncias oficiais.

Questionado pela Lusa sobre qual a perspetiva atual, o responsável respondeu: “O que posso afirmar, sem dúvidas, e creio que é esclarecedor, é que, quem não vive nos grandes centros, em especial na capital, sente na pele – e isso tem-nos sido dito – a evidente sobrecentralização dos investimentos na área da cultura”.

“Por isso é natural que a Viagem Literária esteja a ser tão bem recebida”, rematou.

As diversas conversas têm sido gravadas integralmente em vídeo, e estão disponíveis em www.portoeditora.pt/viagemliteraria.

As próximas paragens desta “viagem” são em outubro, em Évora, numa evocação de José Saramago, com a viúva do autor e presidente da sua fundação, e o escritor José Luís Peixoto, seguindo-se, em novembro, em Beja, com Mário de Carvalho e Sérgio Godinho.

*Com Lusa

 

Comentar