Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Dezembro 11, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Fotógrafo Álvaro da Silva Resende homenageado no Café Luso

Fotógrafo Álvaro da Silva Resende homenageado no Café Luso
José Lagiosa

Os fadistas Celeste Rodrigues, Maria Amélia Proença e André Baptista são alguns dos que participam, na quinta-feira, na Festa de homenagem ao fotógrafo Álvaro da Silva Resende, que se realiza em Lisboa, no Café Luso.

A homenagem ao fotógrafo, conhecido no meio fadista como “o Barão”, que morreu há dez anos, em 2005, insere-se nas celebrações do 4.º aniversário da proclamação pela UNESCO do Fado como Património Imaterial da Humanidade, e que se tem tornado uma tradição neste espaço no Bairro Alto.

Na quinta-feira à noite, é descerrada uma lápide em memória do fotógrafo, naquela que é uma das mais antigas casas de fado de Lisboa.

No ano passado, a homenageada foi Maria Amélia Proença, de 77 anos, que conta mais de 60 anos de carreira.

Álvaro da Silva Resende (1935-2005), natural do Porto, foi fotógrafo deste espaço fadista desde 1970 até à sua morte.

Silva Resende “era conhecido por todos como o ‘barão’, por ser um marialva, de aparência aristocrática, que gostava de bem trajar, que impressionava também pela sua polida e eclética inteligência”, disse à Lusa fonte do Luso.

A mesma fonte referiu o “olhar acutilante, sensível e mordaz”, de Álvaro da Silva Resende, que deu os primeiros passos na fotografia, em 1969, por intermédio do fotógrafo Francisco Cruz, que, atualmente, trabalha na Adega Machado e no Café Luso. Silva Resende colaborou também nos jornais A República e Record.

“Através da fotografia e das reportagens que fez documentou muito acerca do fado”, disse a mesma fonte, que referiu ainda o interesse d’’o barão’ “pela fotografia livre, fotografar a mulher, tendo ainda captado diversos acontecimentos de magno interesse, como a revolução de 25 de Abril de 1974, o incêndio do Chiado, em 1988, e o funeral de Amália Rodrigues, em 1999”.

“Na sua fotografia há personagens diversas, sendo que a cidade de Lisboa é ela própria a personagem eleita, ao encerrar nela a gente que a habita e por ela passa, entre famosos, mas sobretudo anónimos”, rematou a mesma fonte.

A homenagem conta ainda com as participações dos fadistas Isabel Noronha, Pedro Moutinho, Raquel Tavares, Mafalda Arnauth, Maurício Cordeiro, António Pinto Basto, David Ventura, Teresa Tapadas, Liana, Ana Marta e Gustavo Pinto Basto.

O Café Luso, apontado como “catedral do fado”, abriu portas em 1927 na avenida da Liberdade, em Lisboa, e em 1939 passou a ocupar as cocheiras e celeiro de um antigo palácio do século XVII, no Bairro Alto.

*Com Lusa

Comentar