Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Dezembro 6, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Humberto Pedrosa diz que projeto TAP “não se adapta” com uma posição minoritária

Humberto Pedrosa diz que projeto TAP “não se adapta” com uma posição minoritária
José Lagiosa

O empresário Humberto Pedrosa, que através do Atlantic Gateway controla 61% da TAP, afirmou hoje que o seu projeto “não se adapta” com uma posição de minoria.

Humberto Pedrosa falava aos jornalistas à margem da apresentação do livro “Grupo Barraqueiro – 100 anos em imagens” para celebrar os 100 anos de existência da empresa que lidera, no mesmo dia em que o consórcio Atlantic Gateway esteve reunido com o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, sobre a TAP.

“O nosso projeto não se adapta com minoria”, afirmou o empresário.

Questionado pelos jornalistas se poderia adaptar-se o contrato para uma posição minoritária, o empresário afirmou: “Não sei como, é muito difícil”.

E se fosse proposto minoria com carta aberta na gestão? Apesar de “não ser inédito”, nunca seria uma situação fácil para o consórcio que tem atualmente a maioria do capital da transportadora aérea portuguesa.

“Não é fácil gerir uma empresa com minoria porque há decisões que são importantes que não são compatíveis, muitas vezes, com o poder político e é isso que realmente dificulta a gestão”, afirmou o gestor.

“Estamos a conversar [com o Governo]. Isto foi uma primeira conversa, com certeza que o Governo não quer fechar a porta e nós não queremos fechar a porta”, acrescentou.

Questionado se não receia ter de reescrever a parte final do seu livro sobre o grupo Barraqueiro, empresa que lidera há 48 anos, relativamente à TAP, Humberto Pedrosa foi perentório: “Não, não receio”.

“Seria uma pena” se tal acontecesse, continuou, apontando que “a TAP foi uma prenda de anos para a Barraqueiro, que fez 100 anos, e uma prenda daquelas é importante”.

“Nós temos um projeto [para a TAP] onde somos maioritários, onde temos toda a nossa disponibilidade para mexer na empresa”, salientou.

“É claro que o Governo querendo ficar com a maioria do capital, com certeza que também tem uma estratégia para empresa. Quando eu disse que não casava [os projetos do consórcio e do Executivo] é porque não pode haver duas maiorias”, explicou.

No entanto, garantiu que as portas para conversações estão “abertas”.

“Quando não se tem a maioria não se consegue gerir uma empresa à vontade do acionista”, reiterou, sublinhando que o Governo “tem uma decisão” tomada, que passa por ser maioritário.

No entanto, disse que todas as partes – Governo e consórcio – têm de pensar na operadora aérea.

“O Governo também irá pensar no interesse da companhia e preocupa-se como nós”, sublinhou o gestor.

“Não sei como se casam estes dois interesses, mas vejo que há muita dificuldade”, disse aos jornalistas o dono da Barraqueiro.

Para haver um acordo, provavelmente deveria haver cedências de ambas as partes, mas o empresário não descortinou qualquer possibilidade de um consenso.

No encontro com o Governo, o ministro perguntou ao consórcio se estava disponível para conversar, explicou o empresário, que recordou que já foi investido na TAP 180 milhões de euros, aos quais acresce mais 120 milhões de euros dentro de dois a três meses, num total de 300 milhões de euros.

“A TAP tem responsabilidades, estamos a pagar dívida que a TAP tinha”, lembrou.

Caso o consórcio ficasse com uma posição minoritária, o Estado teria de pagar pela redução dessa posição, tendo em conta que a Atlantic Gateway já investiu na companhia aérea.

Questionado sobre se o Estado teria dinheiro para o efeito, Humberto Pedrosa afirmou: “Acho que sim”.

“Com certeza que o Governo não iria pôr uma situação se não tivesse possibilidades de o fazer”, considerou.

O empresário disse estar “confortável” juridicamente com o acordo assinado no âmbito da privatização da TAP e afirmou que dentro de um ano será “visível” que a companhia aérea portuguesa está em “boas mãos”.

O acordo de conclusão da venda direta de 61% do capital da TAP foi assinado no dia 12 de novembro entre a Parpública, empresa gestora das participações públicas, e o agrupamento Gateway, na presença da então secretária de Estado do Tesouro, Isabel Castelo Branco, do então secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Comunicações, Miguel Pinto Luz.

A apresentação do livro da Barraqueiro contou com uma intervenção do ex-governante Eduardo Catroga, que elogiou o percurso do grupo e os 48 anos de liderança de Humberto Pedrosa à frente da empresa.

“Não estamos velhos, temos juventude acumulada”, disse Catroga a Pedrosa, que na sua intervenção na CCIP – Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa considerou que o Estado “não sabe gerir”, quando se referia ao setor dos transportes.

*Com Lusa

Comentar