Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Julho 10, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Rui Martins apresenta Sabores de Vida em Castelo Branco

Rui Martins apresenta Sabores de Vida em Castelo Branco
José Lagiosa

A Biblioteca Municipal de Castelo Branco recebe o autor Rui Martins, no próximo dia 19 de Dezembro, às 16 horas para a apresentação do seu livro de poesia “Sabores de Vida”.

O autor nasceu a 21 de Janeiro de 1959 em Lisboa e tem raízes na Beira Baixa, mais precisamente em Fonte Longa.

Professor na Universidade de Lisboa, ensina e investiga na área da Reabilitação Psicomotora, no paradigma de um corpo que se sente para poder pensar e se pensa para se poder sentir, abrindo os caminhos da plenitude de ser.

Amante da vida, abraça-a com a convicção de que a sua aparente finitude lhe dá sentido e nos convida à transcendência e à magnífica aventura de a disfrutar nos seus contrastes de sabores, vivendo-a em cada dia no olhar da poesia.

O título do seu livro “Sabores de Vida” nasceu do sentido que a vida vai revelando, na procura de uma quimera que é a felicidade.

O autor considera “a felicidade como um horizonte, e cada momento feliz, um passo nesse caminho. Uma aproximação continua sem nunca chegar, navegando no rumo infindável dos nossos desejos. No sentido dos instantes felizes”.

Segundo Rui Martins, nascemos e renascemos em cada momento em que despertamos algo em nós ou nos outros, em que descobrimos fontes de criatividade e de luminosidade.

Momentos em que imprimimos na vida a nossa marca de transcendência e de permanência.

Estes poemas estão ligados a momentos vividos ou imaginados com diferentes sabores emocionais nas pupilas gustativas da vida: doces, salgados, amargos e ácidos. São fragmentos de vida com um certo sentimento de posse.

Para ao autor, são “coisas que surgiram de uma necessidade e de um desejo espontâneo: de entrar em mim mesmo, de examinar os mistérios da vida e de nessa fonte procurar indícios para uma resposta, no encontro com o sentido de criar. E criar-me também nesses momentos, deixando as coisas chegarem ao seu termo, com vagar…”

 

 

 

Comentar