Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Novembro 17, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Maioria e oposição em Viseu reivindicam unanimemente ferrovia e ligação a Coimbra

Maioria e oposição em Viseu reivindicam unanimemente ferrovia e ligação a Coimbra
José Lagiosa

A maioria do PSD e a oposição na Câmara de Viseu manifestaram hoje as mesmas preocupações relativamente à ligação ferroviária Aveiro/Viseu/Mangualde e à ligação rodoviária a Coimbra, temendo que o Governo socialista esteja a querer adiar estas obras.

Na semana passada, o presidente da Câmara de Viseu, Almeida Henriques (PSD), já se tinha manifestado preocupado na sequência de declarações feitas pelo ministro e pelo secretário de Estado das Infraestruturas na reunião do Conselho Regional do Centro, em Castelo Branco.

Hoje, Almeida Henriques levou o assunto à reunião de Câmara e obteve o consenso, mesmo dos vereadores do PS.

Apesar de o Governo ter dito que pretende reabilitar a Linha da Beira Alta e construir o troço Aveiro/Viseu/Mangualde, o vereador socialista José Junqueiro admitiu estar preocupado.

“Eu sei que dinheiro é que existe. Portanto, não me venham dizer que se vai fazer isto e aquilo nestes quatro anos. É preciso é dizer o que se vai fazer, porque não há dinheiro para fazer isto tudo”, afirmou, considerando prioritária a ligação de Viseu à ferrovia.

Almeida Henriques congratulou-se por os vereadores socialistas comungarem “da opinião de que se o Governo avançar pela Linha da Beira Alta, que faça inicialmente logo a ligação do troço entre Viseu e Mangualde”, para que o concelho fique definitivamente ligado à ferrovia, “ficando este como um primeiro troço da futura ligação a Cacia e a Aveiro”.

No que respeita à ligação rodoviária entre Viseu e Coimbra, em alternativa ao Itinerário Principal 3, José Junqueiro considerou ser “outro erro estar a fazer mais estudos”.

Também Almeida Henriques estranhou que, havendo já um trabalho feito para a construção da Via dos Duques (nome dado à futura ligação pelo anterior Governo) e “tanta sintonia” da parte dos autarcas, “o Governo venha dizer que não se revê neste traçado e volte a atirar isto para as calendas”.

O executivo foi também unânime na defesa de um centro oncológico para Viseu, que há muito é reivindicado.

“Se há um sítio onde está estudado por todas as instituições onde tem de ficar colocado é aqui em Viseu. Daí que, nestas matérias, a Câmara tenha, por unanimidade, assumido estas posições perante o Governo”, frisou José Junqueiro.

O antigo secretário de Estado socialista lembrou que, “no tempo no Governo do PS, em 2011, ficou em cima da mesa o concurso preparado para ser lançado, portanto, não há que fazer muito mais estudos”.

“Se há algum sítio onde tem de ficar localizado o centro oncológico é claramente em Viseu. Pelo hospital central que temos, pelas valências instaladas, pela competência deste hospital, pela localização geográfica em relação aos diferentes utentes, porque será uma infraestrutura para servir o eixo da (autoestrada) A25, entrando um pouco no interior do país”, disse, por seu turno, Almeida Henriques.

O autarca social-democrata salientou o esforço que tem havido em “procurar fazer uma boa concertação com os diferentes partidos para que a posição de Viseu seja única”.

José Junqueiro lembrou que os vereadores do PS sempre disseram que o Governo anterior andava a tentar “distrair” ao apresentar soluções relativas à ligação entre Viseu e Coimbra “nos últimos quatro meses de quatro anos” de mandato e, no que respeita à ferrovia, ao ter estado “quatro anos sem fazer nada”.

“O presidente sabe que essa é a nossa posição de sempre e viemos reiterar que, independentemente dos Governos, dos que passaram e dos que estão, a verdade é que nós temos ficado sempre de fora”, lamentou, considerando, por isso, fundamental que a autarquia exija garantias ao Governo relativamente aos vários assuntos.

*Com Lusa

Comentar