Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Janeiro 21, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Editado hoje novo CD de Ricardo Ribeiro “Hoje é assim, amanhã não sei”

Editado hoje novo CD de Ricardo Ribeiro “Hoje é assim, amanhã não sei”
José Lagiosa

O novo álbum de Ricardo Ribeiro “Hoje é assim, amanhã não sei” chega hoje ao mercado, e o fadista afirma-se mais confiante para arriscar em termos artísticos, e a viver “um bom momento, feliz até”.

Em declarações à Lusa, o fadista de 34 anos disseque o poema “Orfeu rebelde”, de Miguel Torga, inspirou o seu novo disco que sai, quando vive “um momento feliz” e se encontra bem consigo próprio.

“Aceito-me como sou e isso faz de mim um homem feliz neste momento”, disse.

“Eu já não tenho nada para provar aos fadistas nem ao fado. Podem considerar prepotente e arrogante este discurso, mas já não tenho nada para provar, já o provei; eu tenho o fado dentro de mim de tal maneira, que posso entrar e sair dentro dele, cada vez que me apetecer”, disse o fadista em entrevista à agência Lusa.

Ricardo Ribeiro acrescentou: “Portanto faço o que quero e o que gosto e aconteceu-me fazer este disco assim. Se me apetecer, o próximo disco é só com melodias fadistas, dos anos 1920 e 1930”.

O álbum tem produção e direção musical de Carlos Manuel Proença, e é constituído por 14 temas, sendo apenas “três deles fados tradicionais”, disse o fadista, que chamou à atenção para “Eu sei que sou demais”, letra e música de Joaquim Pimentel, que conheceu na voz da fadista Natércia da Conceição, porque “nos coloca a interrogação onde começa e acaba o fado canção”.

Um CD feito de “motivação e inspiração – e devo isso ao poema do grande Miguel Torga ‘Orfeu rebelde'”, afirmou.

“E, não me querendo comparar à figura da mitologia [grega], mas eu sou um ‘Orfeu rebelde’”, prosseguiu Ricardo Ribeiro.

No álbum há uma “crítica atenta e mordaz ao quotidiano”, reconheceu o fadista, que referiu os temas “Nos dias de hoje”, com letra e música de Tozé Brito, “Portugal”, que interpreta no Fado de João Maria dos Anjos, um poema de Mário Raínho, autor que canta desde sempre, e também o “Soneto de mal amar”, de José Carlos Ary dos Santos, musicado por João Paulo Esteves da Silva, que o acompanha ao piano.

Quanto às melodias tradicionais, além do Fado de João Maria dos Anjos, Ricardo Ribeiro canta no Fado Licas, de Armando Machado, “Nos gestos, nos sentidos”, de Vital D’Assunção, e reivindicou o estatuto de melodia tradicional – “porque se pode cantar em qualquer decassílabo sáfico [com a acentuação tónica em todas as sílabas pares]” – para o fado da autoria do guitarrista Manuel Mendes, falecido em 2009, no qual canta “Último poema”, de Vasco de Lima Couto.

Entre as escolhas, inclui-se “Chanson d’autonne”, de Paul Verlaine, também musicado por Esteves da Silva, uma recriação de “Malaventurado”, de Bernardim Ribeiro, com música de Alain Oulman, que foi buscar ao repertório de Amália Rodrigues, e uma composição de sua autoria, para o poema de Joaquim Pedro Gonçalves, “Canção das águas claras”, ou a “Serenata do adeus”, letra e música de Vinicius de Moraes, que interpreta apenas acompanhada à viola, por Carlos Manuel Proença e, ao trompete, por Diogo Duque, e ainda um tema em espanhol, “Voy”.

Para o fadista “este disco não tem um conceito, é uma inspiração”, realçando “a magia dos músicos” e a direção de Carlos Manuel Proença, e com o qual pretende exprimir o que escreveu Miguel Torga no “Orfeu rebelde”: “Canto sem perguntar à musa se o canto é de terror ou de beleza”.

*Com Lusa

Comentar