Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Setembro 17, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

PS de Seia manifesta “veemente protesto” pelo cancelamento da barragem de Girabolhos

PS de Seia manifesta “veemente protesto” pelo cancelamento da barragem de Girabolhos
José Lagiosa

A Comissão Política Concelhia do PS de Seia manifestou hoje o “mais veemente protesto” pela decisão do Governo de cancelar a construção da barragem de Girabolhos.

“Depois de todo o desenvolvimento do processo, das expectativas criadas e das diligências feitas, bem como da salvaguarda dos impactos ambientais, consideramos esta decisão altamente penalizadora para o desenvolvimento do concelho de Seia, ao impedir a concretização do maior investimento alguma vez anunciado para esta região”, refere o PS em nota de imprensa enviada à agência Lusa.

O Governo anunciou na segunda-feira o cancelamento da construção das barragens de Girabolhos, no rio Mondego, nos concelhos de Gouveia, Seia, Mangualde e Nelas, e do Alvito, no rio Tejo, que abrange os concelhos de Castelo Branco e Vila Velha de Ródão, enquanto a construção da barragem do Fridão, no rio Tâmega, no concelho de Amarante, foi suspensa por três anos.

O PS de Seia, liderado por Carlos Filipe Camelo, que também é presidente da câmara local, estranha que ao longo do processo de reavaliação do Plano Nacional de Barragens “não tenha sido dada qualquer explicação aos municípios” abrangidos pelo projeto.

“Trata-se de um comportamento incompreensível e inaceitável, que ignora as mais básicas regras de cordialidade, violando, simultaneamente, o princípio do dever de lealdade e respeito institucional entre entidades legítimas num Estado de Direito”, sustenta.

A concelhia refere que sempre esteve ao lado das populações “e nunca se inibiu de defender os interesses do concelho de Seia, independentemente da cor política do Governo”.

Por isso, “não aceita esta decisão”.

Anuncia ainda que irá solicitar uma reunião, com caráter de urgência, a António Costa, secretário-geral do PS e primeiro-ministro, “de modo a esclarecer, cabalmente, uma decisão desta natureza, suas causas e consequências”.

“Não trocamos a defesa intransigente dos interesses do nosso concelho por qualquer estratégia de natureza partidária”, garante a estrutura concelhia de Seia do PS.

*Lusa

Comentar