Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Abril 1, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

PSD de Castelo Branco acusa PS de quebrar promessa com cancelamento do Alvito

PSD de Castelo Branco acusa PS de quebrar promessa com cancelamento do Alvito
José Lagiosa

A distrital do PSD de Castelo Branco acusou hoje o PS de quebrar “mais uma promessa eleitoral” ao anunciar o cancelamento da construção da barragem do Alvito.

“Mais uma vez o PS quebra uma promessa eleitoral. Afinal. a palavra dada é palavra não honrada”, refere em comunicado a Comissão Política Distrital de Castelo Branco do PSD.

O Governo anunciou na segunda-feira o cancelamento da construção das barragens do Alvito, no rio Tejo, que abrange os concelhos de Castelo Branco e Vila Velha de Ródão, e de Girabolhos, no rio Mondego, no concelho de Mangualde, enquanto a construção da barragem do Fridão, no rio Tâmega, no concelho de Amarante, foi suspensa por três anos.

O fim da construção da barragem do Alvito, que já vinha do anterior Governo, foi agora reconfirmada pelo Governo do PS.

Os sociais-democratas referem que a construção da barragem do Alvito, que abrange os concelhos de Castelo branco e de Vila Velha de Ródão, “teria, sem dúvida, importantes impactos em áreas tão relevantes como o da energia, turismo e emprego”.

Adiantam ainda que o anterior Governo PSD/CDS-PP foi obrigado a suspender a construção desta barragem em resultado do cumprimento de um programa de ajuda externa.

“As circunstâncias resultantes de constrangimentos financeiros então vividos assim o ditaram. Todavia, suspendeu-se o projeto. Não, como agora, se decretou o seu cancelamento”, sustentam.

No comunicado, sublinham que o PS, que tinha sido o “grande responsável” pela vinda da ‘troika’ para Portugal, “era o mesmo PS, mas este de âmbito distrital, que utilizava a suspensão da barragem do Alvito como arma de arremesso contra o PSD”.

“A presente situação reveste-se de particular gravidade já que não se trata de um caso isolado de palavra dada que depois não é honrada”, argumentam.

E concluem que a decisão da suspensão da construção da barragem do Alvito “não ficará esquecida”, prometendo questionar o Governo das razões que fundamentaram a tomada desta decisão.

“Os beirões não podem ficar órfãos daqueles que tinham a obrigação de os representar”, afirmam.

*Lusa

Comentar