Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Maio 31, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

PSD de Seia considera cancelamento da barragem de Girabolhos um duro golpe

PSD de Seia considera cancelamento da barragem de Girabolhos um duro golpe
José Lagiosa

A Comissão Política Concelhia do PSD de Seia protestou hoje contra o cancelamento da construção da barragem de Girabolhos, considerando tratar-se de um “duro golpe” para o desenvolvimento daquele concelho do distrito da Guarda.

“Mais uma obra gorada, numa região já de si empobrecida e cujos investimentos escasseiam. Este duro golpe para o desenvolvimento do nosso concelho não pode ficar impune”, refere o PSD de Seia em comunicado hoje enviado à agência Lusa.

O Governo anunciou na segunda-feira o cancelamento da construção das barragens de Girabolhos, no rio Mondego, nos concelhos de Gouveia, Seia, Mangualde e Nelas, e do Alvito, no rio Tejo, que abrange os concelhos de Castelo Branco e Vila Velha de Ródão, enquanto a construção da barragem do Fridão, no rio Tâmega, no concelho de Amarante, foi suspensa por três anos.

Para a concelhia social-democrata de Seia, a decisão é “inqualificável na forma e inaceitável no conteúdo, não respeitando entidades nem população”.

“Esta tomada de posição do Governo socialista e da maioria que o sustenta é incompreensível. Sejam quais forem as razões, estas têm de ser públicas”, lê-se no comunicado intitulado “Tudo por água abaixo”.

O PSD de Seia refere ainda que o Governo “das esquerdas optou pela política da reversão de decisões de Governos anteriores, e neste caso, até de uma decisão de um Governo socialista”.

Para a concelhia social-democrata, o Governo liderado por António Costa “não sabe ou não quer saber o que significa coesão territorial, ou, definitivamente não possui qualquer política definida para o interior do país”.

“É o que podemos constatar por esta sequência de decisões”, remata.

A direção do PSD de Seia anuncia que vai solicitar uma reunião de acompanhamento com caráter de urgência à câmara municipal local, presidida pelo socialista Carlos Filipe Camelo, para ter conhecimento “de expectáveis diligências efetuadas e com resultados manifestos”.

“Apesar do comunicado conjunto das quatro câmaras municipais envolvidas [Seia, Gouveia, Nelas e Mangualde], queremos saber o que o executivo camarário de Seia vai fazer no sentido de trazer algo à população de Seia, que acreditou nas suas promessas”, justifica.

*Lusa

Comentar