Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Abril 1, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

21 entidades recebem 100 mil euros para projetos de apoio às comunidades ciganas

21 entidades recebem 100 mil euros para projetos de apoio às comunidades ciganas
José Lagiosa

Vinte e uma entidades vão receber perto de 5 mil euros cada, totalizando 100 mil euros, para projetos de apoio às comunidades ciganas, em áreas como a igualdade de género, a gastronomia ou o apoio às crianças e aos mais velhos.

As verbas são atribuídas através do FAPE 2016 – Fundo de Apoio à Estratégia Nacional para a Integração das Comunidades Ciganas (ENICC) e os respetivos protocolos são assinados hoje, com a presença da secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Catarina Marcelino.

Cinquenta e dois projetos concorreram, mas, numa primeira fase, só 20 foram aprovados para financiamento, enquanto nove não tiveram direito a dotação financeira, 11 não tiveram classificação mínima e 12 não foram aprovados.

Como a verba disponível não se esgotou com a atribuição de financiamento aos 20 projetos, o Alto Comissariado para as Migrações (ACM), entidade que gere o FAPE, convidou mais uma entidade a reformular o seu projeto e a reafetar o seu orçamento.

Segundo informação oficial, cada projeto vai receber perto de 5 mil euros, no total de 100 mil euros, o que representa um aumento de 100% na dotação orçamental do FAPE entre 2015 e 2016.

Os projetos vencedores em 2016 abrangem o país de norte a sul, havendo os que pretendem (In)Formar para a Igualdade e para a Cidadania, como o ISMAI – Instituto Universitário da Maia, ou os que pretendem promover “Estórias de Vida, Gastronomia Cigana”, como é o caso da Associação Para a Igualdade de Género nas Comunidades Ciganas Mulheres Ciganas, da Figueira da Foz.

Há também projetos que visam promover bons hábitos de saúde entre os ciganos, como o da Associação Letras Nómadas ou os que pretendem “Capacitar e intervir com comunidades ciganas no Alentejo”, como Associação para o Desenvolvimento Integrado – CIGA +, de Montemor-o-Novo.

As áreas de atuação são diversificadas e há também projetos para a integração da etnicidade cigana no espaço cultural português, como propõe a associação CooLabora CRL Fronteiras, da Covilhã, para promover a formação profissional, a igualdade de oportunidades entre homens e mulheres ou o trabalho com crianças e os idosos ciganos.

Em 2015, o ACM recebeu 53 candidaturas aos 50 mil euros disponíveis FAPE, provenientes de todo o território nacional, de entidades públicas e privadas, sem fins lucrativos, incluindo também algumas associações ciganas.

Da apreciação feita às várias candidaturas, o ACM elegeu dez projetos “de cariz experimental e inovador”, que apoiou financeiramente.

O Fundo de Apoio à Estratégia Nacional para a Integração das Comunidades Ciganas tem por objetivo apoiar financeiramente projetos inovadores que promovam a integração destas comunidades.

Segundo o que está definido no regulamento, o FAPE vai apoiar projetos de “cariz experimental e inovador”, com duração até nove meses e que concretizem as metas definidas na ENICC.

*Lusa

Comentar