Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Outubro 20, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Poluição sem fim à vista em Abrantes denuncia a Quercus

Poluição sem fim à vista em Abrantes denuncia a Quercus
José Lagiosa

O Ministério do Ambiente (IGAMAOT) recebeu a Quercus, uma denúncia sobre descargas ilegais contínuas de resíduos no solo e no meio hídrico provocadas pela empresa Silicalia em Abrantes, anunciou em comunicado a própria organização.

“Esta empresa dedica-se à preparação de materiais para a construção civil, nomeadamente produção de aglomerados de pedra. Do seu processo de fabrico resultam lamas compostas por resíduos de pedra e resinas utilizadas para aglomeração do produto”, denuncia a organização ambiental.

Em vez que proceder à devida retenção destes resíduos e posterior envio para tratamento adequado, “a empresa Silicalia tem vindo de forma contínua a proceder à sua descarga ilegal no solo e numa linha de água nas imediações da fábrica, provocando um grave foco de contaminação ambiental”, específica a Quercus.

Para além do efeito que o pó de pedra provoca em termos de impermeabilização do solo e impacte extremamente negativo no ecossistema aquático, existe ainda o risco de contaminação química provocada pelos agentes aglomeradores adicionados ao pó de pedra (resinas).

A Quercus “não compreende como é possível uma empresa estar a laborar nestas condições sem que nenhuma das entidades licenciadoras e fiscalizadoras, nomeadamente a Comissão de Coordenação Regional de Lisboa e Vale do Tejo, a delegação regional do Ministério da Economia, a Inspeção do Ambiente (IGAMAOT), o SEPNA da GNR ou mesmo a Câmara Municipal de Abrantes, ainda tenha posto cobro a esta situação”, concluí a organização.

 

 

Comentar