Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Novembro 12, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Aos domingos… hoje com José Lagiosa

Aos domingos… hoje com José Lagiosa
José Lagiosa

Ainda há homens livres…

Termina hoje, o mais curto Congresso da história do Partido Socialista, sem honra nem glória.

Fruto dos tempos que correm, onde o pensamento é quase único, resta a esperança de alguns homens livres que vão, sem medos, dizendo o que pensam destes novos tempos do PS, longe vão aqueles em que a coragem se sobrepunha aos interesses e às manobras de sobrevivência.

José Lagiosa

José Lagiosa

Este PS é a imagem do seu atual líder.

Manobras, fazer de derrotas aparentes vitórias, enganar os incautos. Hoje rejubilam os jovens moicanos que suportam a “geringonça”.

Resta saber, o que farão e dirão quando perceberem que, afinal, nem tudo o que parece é ou dito de outra forma, têm andado a “comer gato por lebre”.

A máquina que construiu a imagem de um António Costa, líder entusiasmante, decidido, conhecedor, hábil negociador, e sei lá que mais, vai ser a mesma que tentará prolongar, no tempo, o estado de graça do seu “produto”, mas que no final será a mesma que, sem pudor algum, fará o seu “enterro político” e logo o substituirá por outro, sem remorsos e com o mesmo “entusiamo” de sempre.

É assim a lógica desta gente.

Vão sobrando alguns bravos resistentes.

Esses são, juntamente com os que foram abandonando o PS, desde o “golpe” de Costa, os últimos homens verdadeiramente livres do PS.

Continuam a criticar, a denunciar, quando era mais fácil e cómodo estar em silêncio.

O medo é a palavra de comando neste PS que promove a “democracia interna” com pouco mais de meia dúzia de horas para a palavra dos militantes, leia-se delegados, usarem da palavra, ou seja, nada dizerem.

Triste e mal vai, o Partido Socialista!

Os atuais dirigentes socialistas serão os carrascos de um partido que foi e deveria continuar a ser o partido da liberdade.

Com estes comportamentos arriscam-se a ficar na história, para mal da democracia, logo de todos nós, como os “coveiros” do legado de tantos e tantos homens livres, que fizeram a história do PS, da Liberdade e do País.

Resta a esperança de que ainda há homens livres…

*José Lagiosa, diretor beiranews.pt

 

 

 

Comentar