Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Fevereiro 27, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Central térmica que está a nascer em Famalicão resulta de investimento de 30ME

Central térmica que está a nascer em Famalicão resulta de investimento de 30ME
José Lagiosa

A central térmica a biomassa florestal que está a nascer em Famalicão, num investimento de 30 milhões de euros, estará a trabalhar a 100% em fevereiro de 2017, prevendo-se que crie 28 postos de trabalho diretos, indicou hoje o investidor.

O projeto é da empresa Transfradelos, localizada em Vila Nova de Famalicão, distrito de Braga, e em causa está uma central que terá capacidade para produzir 14,75 megawatts de energia que será debitada para a rede pública.

Em declarações à Agência Lusa o responsável da empresa Avelino Reis indicou que, além das quase três dezenas de postos de trabalho diretos que a central térmica irá gerar, é expectável que sejam criados “muitos postos de trabalho de forma indireta”.

As obras para construção de novas instalações na zona de Fradelos que acolherão as caldeiras e geradores estão a decorrer e deverão terminar no final do ano, altura em que a nova central térmica a biomassa florestal entrará num período de 60 dias de testes.

“Imaginamos que esteja a pleno valor, a 100%, em fevereiro do próximo ano”, indicou Avelino Reis, ligado há 34 anos a investimentos na área florestal e madeiras.

A Transfradelos conta atualmente com 186 funcionários e faturou em 2015 cerca de 18 milhões de euros.

Sobre este investimento o presidente da câmara de Famalicão considerou, também em declarações à Lusa, que se trata de “um projeto importante para o país”, bem como “um grande e importante investimento” aplicado neste concelho “com a importância acrescida

de ser da área das energias renováveis”.

“Para além do importante impacto económico e social na região, o projeto cria condições para um maior aproveitamento e valorização dos resíduos florestais, contribuindo para a limpeza das matas e para a redução do risco de incêndios florestais”, referiu Paulo Cunha, dizendo-se “orgulhoso” pelo “reconhecimento” da “competitividade territorial” de Famalicão.

Recorde-se que na quarta-feira fonte da Secretaria de Estado da Energia confirmou o licenciamento de uma central térmica a biomassa florestal em Famalicão.

Somam-se duas outras que serão localizadas no Fundão e em Viseu que representam um investimento global de cerca de 100 milhões de euros, a criação 60 postos de trabalho diretos e 320 indiretos, sendo a potência instalada de 15 megawatts por central.

*Lusa

Comentar