Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Dezembro 8, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Presépio da Cavalinho recordista do Guiness, na Feira, destruído pelo fogo

José Lagiosa

O presépio mecânico que a empresa Cavalinho vinha dinamizando em S. Paio de Oleiros, na Feira, e que detinha o recorde do Guiness de maior do mundo, foi esta tarde destruído pelo fogo em menos de uma hora.

Manuel Jacinto Azevedo, mentor do projeto que surgiu em 2004 e que no Natal de 2015 terá recebido cerca de 750.000 visitantes em regime de entrada gratuita, declarou à Lusa que “ardeu tudo”.

Tínhamos lá mais de 10.000 peças, um património irrecuperável, e não sobrou nada”, descreveu.

Segundo informação disponibilizada pelo Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Aveiro, o incêndio terá ficado a dever-se às elevadas temperaturas registadas esta tarde, pelo que o recinto de 4.000 metros quadrados do presépio ficou arruinado em pouco mais de 45 minutos.

“É o suficiente para destruir tudo, dada a grande carga térmica dentro do pavilhão”, garantiu a fonte do CDOS. Para isso contribuiu também o teor altamente inflamável dos materiais utilizados nos diversos cenários e áreas temáticas do presépio, constituído na sua maior parte por madeiras, tecidos, flores artificiais, pequenos brinquedos e peças de artesanato.

Combatido por 83 bombeiros e 24 viaturas das corporações de Espinho, Esmoriz, Ovar, Feira, S. João da Madeira, Fajões e Lourosa, o fogo está agora controlado, mas, segundo o CDOS, as operações vão prolongar-se com o trabalho de duas retroescavadoras, para “ajudar ao arrefecimento do material”.

Manuel Jacinto Azevedo admite que “o fumo tóxico é um problema”, mas, revelando que esse risco está a ser acautelado, afirma: “A única consolação disto tudo é saber que ninguém se aleijou. Além do mais, se fosse a fábrica [de carteiras, calçado e marroquinaria] a arder, ia ser muito pior, porque dela está muita gente dependente”.

Quanto aos prejuízos, o empresário não adianta valores, mas garante: “Não há seguro que pague o que aqui ardeu. Era um espólio antigo, de peças únicas, criadas especificamente para nós, muitas por artesãos que já não existem, e esse património perdeu-se todo”.

*Lusa

Comentar