Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Outubro 20, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

“Ambiente em Portugal” está nas bancas a partir de hoje

“Ambiente em Portugal” está nas bancas a partir de hoje
José Lagiosa
Está desde hoje, nas bancas, o livro “Ambiente em Portugal” da autoria de Sofia Guedez Vaz.

Um bom cidadão ecológico faz um pouco mais do que levar as garrafas até ao vidrão.

Justiça social, bem-estar, cidadania, são outros materiais infinitamente recicláveis de que se faz o Ambiente em Portugal.
Sabia que todos os anos vão parar 8 milhões de toneladas de plástico aos oceanos? Mas que, apesar disso, Portugal começa a trilhar o caminho certo?
«
A saúde e o bem-estar humanos são vulneráveis à degradação ambiental causada por poluição do ar e da água, ruído, radiação, agentes químicos ou biológicos. Também as alterações climáticas, o esgotamento de recursos naturais e a perda de biodiversidade têm efeitos a longo prazo sobre a saúde.»
A questão ambiental não tem apenas a ver com ecopontos e andar de bicicleta.

Ambiente em Portugal

Ambiente em Portugal

No atual modelo económico, a famosa sustentabilidade está seriamente comprometida e cabe aos cidadãos e às instituições o assumir de novos modos de vida.

Menos consumo, mais bem-estar.

Menos desperdício, mais sensibilização por todos os meios – através das relações de proximidade, das artes, até do humor.

No essencial, melhores escolhas.
Repare, em Maio de 2016 vivemos 4 dias seguidos – 107 horas – durante os quais o consumo de eletricidade em Portugal foi assegurado integralmente por fontes renováveis.

Usámos energia eólica, hídrica e solar e estivemos sem emitir uma única tonelada de dióxido de carbono para a atmosfera e além disso não se gastou nem carvão nem petróleo.

Cerca de metade da eletricidade consumida anualmente já é de renováveis, mas nunca se tinham conseguido tantos dias seguidos.

Estes dados mostram que Portugal pode ser mais ambicioso e que está no bom caminho.
Sofia Guedez Vaz tem trabalhado em diversos organismos públicos e privados, nacionais e internacionais, na área do ambiente.

Ainda está por apurar se a sua formação académica seguiu o seu percurso de vida ou vice-versa. Começou por querer resolver problemas com a engenharia do ambiente e, depois, com a filosofia, passou a pensar mais sobre eles. Agora quer comunicá-los melhor e sonha com uma nova profissão: environmental entertainer.

 

 

Comentar