Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Março 30, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Lains de Ourém apresentou o seu novo livro de poesia em Castelo Branco

José Lagiosa

A Casa do Arco do Bispo, em Castelo Branco recebeu hoje Lains de Ourém, para apresentar o seu mais recente livro de poesia “Confins da Infância”.

Desta vez, não é só poesia que o autor de “Confins da Infância” nos trouxe.

Com ele vieram os desenhos de Ana Oliveira, que ilustram o livro, para uma exposição que estará patente até 23 de outubro.

Lains de Ourém, Paula Teixeira e Ricardo Santos

Lains de Ourém, Paula Teixeira e Ricardo Santos

O autor voltou, assim, novamente a Castelo Branco, porque como diz “a porta tem estado sempre aberta” e a demonstração dessa vontade conduz a que retribua com a anuência de cá vir apresentar a obra.

Lains de Ourém “alentejano por adopção dos amigos que lá habitam”, optou desta vez, por uma edição de autor porque como diz, “fica mais liberto” para estabelecer a programação para as apresentações da obra.

A apresentação de “Confins de Infância” esteve a cargo do colega e amigo Ricardo Santos que chamou a atenção para um conjunto de pormenores decorrentes da primeira leitura que fez da obra.

Conhecedor, do percurso do autor, fez uma interpretação muito pessoal, dando a conhecer alguns aspectos e características de pessoas, ambientes e cenários abordados nos poemas de Lains de Ourém, chegando a confidenciar episódios vividos por ambos num passado que se vai tornando cada vez mais distante, e dos quais se sente nas suas palavras e expressões uma certa nostalgia.

Aspecto da exposição

Aspecto da exposição

O autor explicou igualmente “a parte sentimental” da sua vida que o traz a Castelo Branco, remetendo para a vida de estudante universitário quando um grupo de colegas partilhava a casa dos pais, uns com os outros, sendo a cidade albicastrense um desses destinos.

“Hoje quando releio o livro tenho uma leitura diferente de quando o fui escrevendo à frente do computador”, referiu o autor.

Uma explicação ainda para a participação, com gravuras e desenhos de Ana Oliveira, na ilustração da obra.

O autor acabou por confessar que é a “experiência de uma infância feliz” que acabou por transmitir na obra.

Como anfitriã na Casa do Arco do Bispo, esteve a secretária da Junta de Freguesia, paula Teixeira, que justificou a impossibilidade de última hora do presidente da autarquia estar presente.

 

 

 

 

Comentar