Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Janeiro 20, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Casegas e Ourondo, Covilhã, voltam a ter médico a partir da próxima semana

Casegas e Ourondo, Covilhã, voltam a ter médico a partir da próxima semana
José Lagiosa

As localidades de Casegas e Ourondo, concelho da Covilhã, voltarão a ter consultas regulares de médico de família a partir da próxima semana, disse à Lusa o diretor do Agrupamento de Centros de Saúde (ACeS) da Cova da Beira.

“Já foi encontrada uma solução e a partir da próxima semana em Casegas haverá consultas à segunda-feira à tarde e no Ourondo as consultas serão à quarta-feira à tarde”, afirmou António José Santos Silva.

Na segunda-feira, o presidente da União de Freguesias de Casegas e Ourondo, César Craveiro, reivindicou que a periodicidade das consultas semanais fosse retomada, explicando que a mesma tinha sido interrompida a 08 de agosto, alegadamente devido a um problema de saúde do médico.

Segundo referiu, desde essa data o médico só esteve três vezes nas duas localidades (duas numa e uma noutra), o que considerou “manifestamente insuficiente para as necessidades”.

“Naturalmente que compreendemos a situação do médico, mas os responsáveis têm de encontrar uma solução e é isso que exigimos, porque a nossa população não pode ficar eternamente sem consultas e sem resposta médica”, disse.

Entretanto e explicando que o médico que normalmente assegurava o serviço está com um problema de saúde que lhe condiciona o normal exercício de funções, o diretor do ACeS da Cova da Beira adiantou que a situação já está em fase de resolução e que o médico será substituído por dois outros clínicos (cada um visitará sua localidade) que serão deslocados “de uma área que tem maior cobertura”.

“Tendo em conta os nossos recursos é a solução possível, pelo menos até haver um novo concurso”, apontou, aludindo também à dificuldade em atrair médicos para o interior.

António José Santos Silva referiu ainda que não se procedeu a esta substituição mais cedo porque inicialmente havia a esperança de que a situação fosse temporária e que o médico pudesse voltar ao serviço num curto espaço de tempo.

“Efetivamente ele até regressou, mas a situação é delicada e infelizmente ainda não tem condições de saúde para assumir na plenitude as funções e perante esse facto fomos procurar uma solução para que as pessoas não fiquem sem resposta e a qual foi encontrada também graças à disponibilidade e dedicação dos outros médicos”, ressalvou.

O ACeS da Cova da Beira engloba os concelhos de Belmonte, Covilhã e Fundão.

*Lusa

Comentar