Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Julho 11, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Ponto de Vista… por António Marafuga

Ponto de Vista… por António Marafuga
José Lagiosa

No rescaldo do referendo italiano: – Que União Europeia estamos a construir?

Surgem na União Europeia partidos e movimentos extremistas de direita e de esquerda, nacionalistas, anti-europeístas, populistas, disseminadores do ódio e pregadores de uma nova ordem.

António Marafuga

António Marafuga

A União Europeia começou a desagregar-se, estando em curso o Brexit e podendo alinhar na calha da desagregação a Itália, a Holanda, a Áustria e a Hungria.

E tudo isto porque a União Europeia virou, desde pelo menos há 15 anos, numa construção política, económica e social de protecção de banqueiros e especuladores financeiros (os tais ditos ‘mercados’).

Tudo o que importa à União Europeia é as dívidas e o orçamentos dos seus Estados membros numa perspectiva meramente financeira, saber se os Estados têm “almofadas” para socorrer os bancos financeiramente, recapitalizar os bancos… sendo-lhe indiferente dossiers como a saúde, a educação, a cultura, a solidariedade social, o emprego e as condições ambientais dos respectivos cidadãos de cada Estado e até a produtividade e competitividade das respectivas empresas.

Estima-se a população na União Europeia em mais de 500 milhões de cidadãos.

Pessoalmente, tenho as minhas dúvidas que existam 5 milhões de banqueiros e de especuladores financeiros na União Europeia.

Isto quer dizer que temos uma União Europeia preocupada com a defesa dos interesses e benefícios de 1% dos seus cidadãos e completamente indiferente ao destino dos restantes 99% dos seus cidadãos.

É este sentimento de desinteresse que é sentido pelas populações e que está a ser aproveitado e explorado pela propaganda dos partidos e movimentos extremistas de direita e de esquerda, nacionalistas, anti-europeístas, populistas, disseminadores do ódio e pregadores de uma nova ordem.

Não é combatendo estes partidos e movimentos extremistas que a batalha será ganha.

A batalha será ganha quando as políticas na União Europeia forem de construção de uma Europa dos cidadãos e da cidadania e não dos banqueiros e especuladores financeiros, quando a saúde, a educação, a cultura, a solidariedade social, o emprego e as condições ambientais dos respectivos cidadãos de cada Estado e até a produtividade e competitividade das respectivas empresas forem os objectivos primeiros da União Europeia.

E esta mudança de políticas tem de acontecer, se quisermos que os “exits” não aconteçam no futuro

 

António Marafuga, advogado e membro Conselho jurisdicional do PURP

 

 

Comentar