Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Junho 1, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

PSD de Castelo Branco incrédulo com Governo devido ao armazém nuclear em Almaraz

PSD de Castelo Branco incrédulo com Governo devido ao armazém nuclear em Almaraz
José Lagiosa

A distrital do PSD de Castelo Branco manifestou hoje incredulidade pelo facto de o Governo se ter mostrado surpreendido com a decisão espanhola de se avançar com a construção do armazém de resíduos nucleares em Almaraz.

“A Comissão Política Distrital do PSD Castelo Branco (…) manifesta mais uma vez a sua incredulidade pelo facto do Governo português, após a decisão do Governo espanhol em avançar para a construção do armazém de resíduos nucleares na central nuclear de Almaraz, ter manifestado a surpresa por não ter sido informado desta decisão pelo seu congénere espanhol”, lê-se no comunicado enviado à agência Lusa.

Os sociais-democratas sublinham que, por várias vezes, através dos seus deputados, alertaram para esta possibilidade e interpelaram o ministro do Ambiente, José Pedro Matos Fernandes, para saber o ponto da situação e como é que o Governo português estaria a pressionar o Governo espanhol, tendo inclusivamente sido informados da existência de uma reunião marcada para 12 de janeiro.

“Conforme verificámos, o Governo português e o seu ministro do Ambiente, mais uma vez, foi totalmente desautorizado e ignorado pelo seu congénere espanhol, conforme se pode ver pela decisão tomada. Numa situação com este grau de gravidade, está em causa a própria credibilidade internacional de Portugal e a forma como somos vistos pelo exterior”, sustentam.

O PSD de Castelo Branco pede ainda, “com caráter de urgência”, ao primeiro-ministro António Costa, que assuma claramente uma posição onde defenda o bem-estar das populações do interior.

“Este é o momento de intervir, resgatando e assumindo a defesa do interesse nacional. Se não o fizer de forma clara e distintiva, assumirá o que sempre suspeitámos. Que Almaraz não consta, nem nunca constou, das suas prioridades políticas”, concluem os sociais-democratas.

 

Comentar