Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Outubro 19, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Interior ainda sente falta de investidores privados nas ‘startup’

Interior ainda sente falta de investidores privados nas ‘startup’
José Lagiosa

O diretor executivo do Centro de Empresas Inovadoras (CEI) de Castelo Branco, João Borga, disse hoje que no interior do país ainda se sente a falta de investimento nas ‘startups’ por parte dos investidores privados.

“Estes investidores [Business Angels] no interior de Portugal não têm tanto desenvolvimento assim e na nossa cidade [Castelo Branco] isso sente-se de alguma forma. Sente-se que há falta dos nossos industriais, das pessoas que têm dinheiro, de ligarem-se e investirem em ‘startups'”, explicou à agência Lusa o diretor executivo do CEI.

Este responsável falava à margem de uma iniciativa promovida pelo CEI, o “Startup Europe Week Castelo Branco”, no âmbito da “Startup Europe Week”, iniciativa promovida pela Comissão Europeia, na semana de 06 a 10 de fevereiro.

João Borga adiantou que no sul da Europa os investidores privados ou ‘Business Angels’ são mais conservadores do que nos países do norte europeu e considerou mesmo como “curto” o investimento destes em ideias e projetos que queiram crescer de uma forma rápida.

“Há muitas linhas de apoio para o empreendedorismo. Há meios para quem quer arrancar com o negócio”, sustentou.

Contudo, aquilo que acontece muitas vezes nas ‘startup’ e ao nível do empreendedorismo é que quando se quer crescer e, se quer crescer rapidamente, os empreendedores esbarram com algumas dificuldades em obter os financiamentos necessários junto da banca.

O objetivo desta iniciativa promovida pelo CEI teve como finalidade dar conhecer aos empreendedores aquilo que existe na sua proximidade, quer ao nível dos apoios, quer daquilo que está a ser feito e as novidades que estão a ser implementadas.

“Lançou-se esta iniciativa, que fala daquilo que está próximo dos empreendedores, ou seja, em Castelo Branco, por exemplo, temos uma quantidade muito grande de serviços e de instituições a apoiar empreendedores, serviços esses que muitas vezes desconhecem”, sublinhou.

Nesta iniciativa foi dada toda a informação disponível, desde linhas de financiamento e outros apoios disponíveis, ditos na primeira pessoa por dirigentes de diversas instituições, o que permite que o empreendedor possa abordar e interagir com os intervenientes nesta área.

*Lusa / Foto: dinheirovivo.pt

Comentar