Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Setembro 16, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Assembleia de credores vota venda dos ativos do Museu da Vida de Cristo, Fátima

Assembleia de credores vota venda dos ativos do Museu da Vida de Cristo, Fátima
José Lagiosa

A assembleia de credores da Vida de Cristo, Parques Temáticos, dona do Museu da Vida de Cristo, em Fátima, determinou hoje, na Secção de Comércio da Comarca de Santarém, o encerramento da atividade e a venda dos ativos da empresa.

A decisão, que apenas contou com o voto contra do representante dos trabalhadores, foi tomada por três dos credores, ficando a comissão de credores, que tem agora um prazo de 180 dias para proceder à liquidação do ativo, a ser presidida pela Caixa Geral de Depósitos, principal credora (3,6 milhões de euros dos 6,1 milhões em dívida).

Jerónimo Silva, mandatário da Vida de Cristo, disse à Lusa que esperava que hoje, “pelo menos”, fosse viabilizada a apresentação do plano de insolvência, possibilidade que apenas foi votada favoravelmente pelo representante dos trabalhadores.

A sentença de insolvência foi proferida no dia 30 de janeiro, numa audiência em que a empresa desistiu da oposição que havia apresentado meses antes, pedindo que lhe fosse concedida a administração da massa insolvente e comprometendo-se a apresentar, em 30 dias, um plano de insolvência que permitisse a continuidade da exploração.

Gorada essa possibilidade, na assembleia de hoje a administração da massa insolvente passou para a administradora de insolvência.

A empresa já havia tentado implementar um Processo Especial de Revitalização (PER), mas, na votação realizada em novembro de 2016, também não obteve a aprovação da totalidade dos credores, nomeadamente da CGD.

Os ativos incluem os dois pisos do museu e ainda 14 lojas no Porticus Galerias, quatro arrecadações na cave e dois pisos de estacionamento em cave (100 lugares), tendo a administradora de insolvência alertado hoje para o facto de duas frações não terem sido licenciadas, estando por isso “clandestinas”, o que pode ser extensível a todo o prédio, “contaminando as verbas dos bens imóveis inventariados”.

A funcionar desde 2010, e atualmente com cerca de oito trabalhadores, o Museu da Vida de Cristo ocupa uma área de 4.000 metros quadrados e tem um acervo de 210 figuras de cera, vestidas com roupas feitas com tecidos fabricados na zona da Sertã em teares manuais de artesãs portuguesas, segundo a descrição constante do processo.

O museu apresenta 33 cenas, realizadas por empresas portuguesas a partir de estudos sancionados pelo Santuário de Fátima, que acompanhou o processo e elogiou o projeto cenográfico de Moniz Ribeiro e João Quintão, acrescenta.

Referindo a tendência de crescimento do turismo religioso desde 2015, a Vida de Cristo afirma que o museu foi considerado o terceiro melhor museu de cera do mundo por Tony Julius, diretor da empresa londrina que fabricou as figuras de cera e ex-colaborador do Museu Madame Tussaud.

Entre as razões invocadas para a situação em que se encontra o museu, os proprietários referem a redução do número de visitantes, de 80.000 em 2010 para 38.000 em 2015 e 2016, mostrando “a verdadeira dimensão da crise” que afetou o país e Fátima.

*Lusa

Comentar