Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Fevereiro 22, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Projeto “A Canção Raiana Perdida” abre Festival Literário de Castelo Branco

Projeto “A Canção Raiana Perdida” abre Festival Literário de Castelo Branco
José Lagiosa

O Fronteira – Festival Literário de Castelo Branco começa na quarta-feira com o espetáculo audiovisual e musical “A Canção Raiana Perdida”, um projeto desenvolvido por Tom Hamilton, músico inglês radicado na região e apaixonado pelas suas sonoridades.

O Festival Literário de Castelo Branco, que decorre entre quarta-feira e domingo, arranca com este projeto impulsionado pela Associação para o Desenvolvimento da Raia Centro-Sul (ADRACES) e a cargo do músico inglês que se mudou para Portugal em 1992 e que está radicado na região da Beira Baixa.

“Esta é uma escolha que tem acompanhado todos os festivais. A abertura é sempre feita com algum projeto ligado à região. Aconteceu na primeira edição, com a viola beiroa e nas seguintes com projetos musicais de alunos da escola Superior de Artes Aplicadas (ESART) ou com a celebração de João Roiz, na última edição”, explicou hoje à agência Lusa o comissário do Fronteira, José Pires.

Este responsável adiantou que para esta quinta edição, cujo início decorre na quarta-feira pelas 21:00, no Museu do Canteiro, em Alcains (Castelo Branco), optou-se por dar continuidade à sessão de abertura do festival, com “A Canção Raiana Perdida”.

“Trata-se de um projeto da ADRACES, muito interessante, e que é consubstanciado por um músico estrangeiro [Tom Hamilton] que resolve andar à procura de musicalidades e não só de canções tradicionais perdidas, da região”, frisou.

José Pires sublinhou que o espetáculo audiovisual e musical reúne canções tradicionais e elementos sonoros como o som dos sinos nas diferentes aldeias, o bater dos teares de madeira a trabalhar ou o ruído da lavagem da roupa nos riachos e ribeiras, além das próprias canções tradicionais da região.

“Um festival não é só um espaço para divulgação de livros, mas também de outros textos. E, neste caso acontece também literatura oral”, sustentou.

“A Canção Raiana Perdida” pretende ir além de um concerto de música tradicional, com recurso a ‘videomapping’ e projeção de capítulos do documentário resultante do projeto.

*Lusa

Comentar