Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Outubro 16, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Estimulação cerebral melhora substancialmente vida dos doentes de Parkinson

Estimulação cerebral melhora substancialmente vida dos doentes de Parkinson
José Lagiosa

Várias centenas de doentes de Parkinson recuperaram autonomia e mobilidade através da cirurgia de estimulação cerebral profunda, disponível em Portugal desde 2002, que veio aumentar significativamente a qualidade de vida dos pacientes.

A terapêutica consiste no implante de um dispositivo colocado a poucos centímetros do cérebro, numa intervenção em que o doente apenas recebe anestesia local para poder colaborar no procedimento e assegurar a eficácia do tratamento.

“Tinha muitas dificuldades de locomoção e cheguei a deslocar-me de cadeira de rodas, mas depois da cirurgia tive uma melhoria muito significativa e um aumento de qualidade de vida substancial”, disse à agência Lusa o médico obstetra João Wadhoomall, de 75 anos, operado em outubro de 2012 no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC).

O especialista, que exercia funções no Hospital de Castelo Branco, onde foi diretor de serviço, tinha pouco mais de 50 anos quando lhe foi diagnosticada a doença, que é caracterizada por movimentos involuntários, músculos rígidos e elevadas dosagens de medicação.

Já com o diagnóstico confirmado, ainda participou em cirurgias de cesariana, mas as limitações físicas levaram-no a aposentar-se antes dos 60 anos, quando estava no topo da carreira médica.

“É preciso aceitar a doença e lutar contra ela, não nos podemos isolar, porque o isolamento é a pior arma”, sublinha João Wadhoomall, que faz fisioterapia uma vez por semana e aproveita para sair de casa e caminhar.

O médico, natural de Timor-Leste, de onde saiu aos 17 anos para estudar em Coimbra, onde se licenciou, considera a socialização do doente e o envolvimento com a família muito importante e lamentou que muitos pacientes “não saiam de casa com vergonha de se mostrar”.

Manuel Felizardo, engenheiro civil, de Pombal, recebeu o diagnóstico aos 41 anos, numa consulta de medicina do trabalho, que confirmou a causa dos tremores que registava nos membros superiores.

Foi reformado por invalidez em 2010 e, em 2013, com 54 anos, foi submetido à cirurgia, no CHUC, que lhe devolveu a autonomia e a possibilidade de voltar à sua atividade, como voluntário, no município de Pombal.

“Depois da intervenção, a minha qualidade de vida alterou-se significativamente. Quase que não me conseguia mexer e depois fiquei muito melhor”, relata à agência Lusa Manuel Felizardo, atualmente com 58 anos.

O doente considera que a “intervenção foi de tal maneira eficaz” que voltou a trabalhar na sua área.

“Nesta doença, é fundamental estar ativo”, frisou.

Manuel Felizardo explicou ainda que tem uma grande margem de progressão na estimulação cerebral, uma vez que a voltagem elétrica do dispositivo ainda se encontra distante do máximo permitido.

Segundo o neurologista Fradique Moreira, da consulta de estimulação cerebral profunda nos CHUC, “a eficácia desta intervenção depende muito da seleção dos doentes, porque nem todos podem ser sujeitos à cirurgia e nem todos têm eficácia com esse tratamento”.

A cirurgia é normalmente feita a doentes com estádios avançados da doença, mas que tenham uma boa resposta à levodopa, fármaco que substitui o défice de dopamina, um neurotransmissor que deixa de ser fabricado na doença de Parkinson.

O objetivo é restabelecer o funcionamento normal de um circuito cerebral anómalo, através da aplicação de um estímulo elétrico num núcleo específico que faz parte desse circuito, que servirá de marca-passo para o funcionamento celular”, explicou Fradique Moreira, salientando que é necessário ajustar e regular o aumento da estimulação e o decréscimo da medicação.

“Conseguimos dar uma boa qualidade de vida e melhorar os sintomas que já não estavam a ser controlados pela medicação. O doente fica com uma boa capacidade motora, mas a doença continua a progredir, pois é degenerativa e ainda não conseguimos travar o seu curso”, observou a neurologista Cristina Januário, da consulta do movimento no CHUC.

*Lusa

Comentar