Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Junho 24, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Presidente da Federação quer alavancar desportos de inverno em Portugal

Presidente da Federação quer alavancar desportos de inverno em Portugal
José Lagiosa

Pedro Farromba acredita que a sua eleição para a vice-presidência da Ski Envolving Nations (SES), que junta países com pouca neve, é um passo importante para o desenvolvimento dos desportos de neve em Portugal.

O presidente da Federação de Desportos de Inverno de Portugal (FDIP), eleito no último fim de semana, em Dublin, Irlanda, considera que a sua escolha para a direção da SES – que congrega 19 países onde as condições naturais para a prática das modalidades na neve não são as mais favoráveis – é também o reconhecimento do trabalho feito pelo organismo que dirige.

“Acho que é um passo importante para a afirmação dos desportos de inverno em Portugal e também um reconhecimento do trabalho feito pela federação”, disse hoje à agência Lusa Pedro Farromba.

O presidente da FDIP, que é também membro da Comissão Executiva do Comité Olímpico de Portugal, já integrava dois comités internacionais da Federação Internacional de Esqui (FIS): o Comité da Juventude e o Comité do Rollerski.

Depois da eleição, com 82 % dos votos, na Assembleia Geral da SES, Pedro Farromba tem a expectativa de vir a fazer parte do Comité das Nações em Desenvolvimento, através do qual espera obter fundos para projetos nacionais.

“A FDIP começa a estar representada nas mais altas instâncias do esqui e do snowboard. Espero que isso possa ser uma alavanca para desenvolver as modalidades em Portugal. Tendo maior representatividade, podemos tentar canalizar mais recursos”, realçou o dirigente.

Pedro Farromba explicou que o Comité das Nações em Desenvolvimento, que espera passar a integrar aquando da próxima Assembleia Geral da FIS, gere fundos que apoiam vários programas de países em desenvolvimento nas modalidades ligadas aos desportos de inverno.

A Ski Envolving Nations existe há 20 anos e da nova equipa diretiva fazem parte a Sérvia, Bósnia-Herzegovina, a Irlanda e o Líbano.

*Lusa

Comentar