Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Dezembro 7, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Yola Vale premiada em Bienal Internacional Mulheres D’Artes 2017

Yola Vale premiada em Bienal Internacional Mulheres D’Artes 2017
José Lagiosa

A obra “Attraction I e II” valeu a Yola Vale, artista que reside e trabalha em Proença-a-Nova desde 2001, o Grande Prémio Tapeçarias Ferreira de Sá na 4º Bienal Internacional Mulheres D’Artes 2017 que se realiza no Fórum de Arte e Cultura de Espinho.

O prémio foi entregue no dia 25 de abril, Dia da Liberdade, simbolicamente escolhido para evocar as mulheres e a sua liberdade de expressão através das artes.

“Candidataram-se 124 artistas oriundas de 14 países e o júri da bienal selecionou 56 obras para a exposição, que se pretende que seja uma verdadeira celebração da arte contemporânea, desenhada, pintada e esculpida no feminino”, revela Yola Vale que destaca o regozijo com que recebeu a distinção.

Ao jornal Defesa de Espinho, referiu a importância desta iniciativa: “Este concurso é de louvar visto que, no que toca ao reconhecimento da mulher na sociedade, ainda há um longo caminho a percorrer e é graças a iniciativas como esta que se constrói um pensamento mais igualitário e uma sociedade mais justa”.

A obra premiada consiste num díptico, feito de grés negro e branco, que “simboliza as forças contraditórias existentes no mundo, tando na natureza como no ser humano” e faz parte de um trabalho que está a ser desenvolvido há já quatro anos e que estará em exposição na Galeria Municipal de Proença-a-Nova de 6 de maio a 30 de junho.

Licenciada em escultura pela Universidade das Artes de Coimbra, Yola Vale desenvolveu uma série de murais de grande formato – fragmentados e suspensos por delicados fios – que intitulou de “Fragmentos Suspensos” e que agora mostra nesta exposição.

Excluindo os registos figurativos e pondo de parte os formatos tradicionais dos painéis cerâmicos, a artista cria superfícies orgânicas e geometrizadas onde cada elemento ocupa um lugar específico e onde a sua ausência implicaria o desequilíbrio de todo o conjunto.

Yola Vale explora os limites da cerâmica, remetendo-nos para o universo da tapeçaria ou da armadura oriental, num constante equilíbrio entre a fragilidade dos fragmentos e a robustez do material.

A exposição “Fragmentos Suspensos” foi inaugurada hoje, dia 6 de maio, na Galeria Municipal de Proença-a-Nova, e tem entrada livre.

Comentar