Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Dezembro 9, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Amarante candidata-se à Rede de Cidades Criativas da UNESCO

Amarante candidata-se à Rede de Cidades Criativas da UNESCO
José Lagiosa

Amarante vai apresentar uma candidatura para integrar a Rede de Cidades Criativas da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), na categoria Música, avançou hoje à Lusa fonte da autarquia local.

“O projeto de candidatura, liderado pela câmara municipal, envolveu mais de 40 agentes no diagnóstico e na construção de um plano de ação para quatro anos”, sinalizou a fonte.

De acordo com a equipa que tem trabalhado no dossiê, a candidatura à UNESCO será o corolário do trabalho que tem sido desenvolvido no concelho, no domínio da valorização do património e na promoção de atividades artísticas e indústrias criativas.

No caso da música, a cidade é sede da Orquestra do Norte e, nesse âmbito, realizaram-se 30 concertos para cerca de 5.800 pessoas, entre 2013 e 2016.

Amarante conta atualmente com quatro órgãos de tubos, remodelados nos últimos anos, que estão espalhados por três igrejas da cidade.

Na candidatura evidenciar-se-ão também os eventos que o concelho organiza na área musical, em diferentes estilos, nomeadamente o Festival Mimo, Festival Internacional de Guitarra, Festival Internacional de Jovens Pianistas, Palcos de Verão e Mercado da Música, entre outros, atraindo por ano mais de 70 mil espetadores.

O concelho tem cinco escolas naquela área artística (um conservatório, três escolas de privadas e uma escola de música sacra) e dinâmica associativa que se traduz em grupos e bandas filarmónicas, com presença significativa de jovens.

Contam-se no concelho, segundo a fonte, cerca de 1.200 pessoas com práticas amadoras ligadas à música.

Nesta candidatura, que é hoje formalmente apresentada na biblioteca municipal, Amarante apresenta-se como “uma cidade laboratório, sobre como é que as práticas amadoras podem gerar um setor cultural e criativo, profissional e empresarial, um verdadeiro vetor de desenvolvimento sustentável”.

A Rede de Cidades Criativas da UNESCO foi criada em 2004 para fortalecer a cooperação entre cidades que consideram a criatividade um fator estratégico de desenvolvimento urbano sustentável com impacto social, cultural e económico.

Em Portugal há já dois concelhos com a classificação de Cidade Criativa: Óbidos, no domínio da Literatura, e Idanha-a-Nova, na música.

Já este ano concelhos como Braga, Penafiel e a Póvoa de Varzim anunciaram candidaturas à Rede de Cidades Criativas da UNESCO.

*Lusa

Comentar