Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Abril 8, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

António Fidalgo reeleito para segundo mandato como reitor da Universidade da Beira Interior

António Fidalgo reeleito para segundo mandato como reitor da Universidade da Beira Interior
José Lagiosa

António Fidalgo foi hoje reeleito para o segundo mandato como reitor da Universidade da Beira Interior (UBI), informou aquela instituição de ensino superior sediada na Covilhã, distrito de Castelo Branco.

O atual reitor, que tem 61 anos e é professor catedrático da Faculdade de Artes e Letras da UBI, foi reeleito após votação realizada hoje à tarde pelo Conselho Geral, tendo conquistado 18 dos 29 votos possíveis.

Na corrida à reitoria estava também Tiago Sequeira, 41 anos e docente da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da UBI, que conseguiu sete votos.

De acordo com um comunicado enviado à agência Lusa, registaram-se ainda quatro votos brancos.

Contactado pela Lusa, António Fidalgo mostrou-se satisfeito com o resultado, que considera ser “o reconhecimento do trabalho realizado”.

“Penso que o Conselho Geral achou que fazia todo o sentido continuar o trabalho encetado”, apontou.

Para os próximos quatro anos, prometeu “continuar a estratégia” e “pugnar pela estabilidade da instituição”, apostando, desde logo, na captação de alunos internacionais, que permitam fazer face à quebra demográfica nacional, cujos reflexos negativos se sentem em primeiro plano no Interior.

Entre as metas que António Fidalgo pretende alcançar está também a do reforço da “dinamização e reconhecimento da UBI”, bem como fazer da “Covilhã uma cidade campus”, com a presença dos alunos a “notar-se ainda mais” no quotidiano local.

“Portanto, aproveito para deixar um desafio às forças políticas para que também abracem esta ideia”, acrescentou.

Outro dos compromissos que assumiu é o de manter junto da tutela a reivindicação relativa à alteração do modelo de financiamento das universidades, já que o atual promove uma situação de “injustiça” entre as instituições e mantém a UBI subfinanciada há vários anos.

Citado na nota de imprensa, o presidente do Conselho Geral, José Ferreira Gomes, fez um balanço positivo de todo o processo realizado esta quinta-feira e que incluiu as audições públicas dos candidatos, as quais “correram muito bem, com grande envolvimento de todos”.

José Ferreira Gomes destacou ainda o facto de se terem apresentado a sufrágio dois candidatos, que mostraram “dedicação e excelente compreensão dos problemas da UBI”.

O reitor da UBI é eleito por voto secreto dos membros do Conselho Geral: 15 representantes dos professores, cinco representantes dos estudantes, um representante do pessoal não docente e oito personalidades externas cooptadas.

*Lusa

Comentar