Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Fevereiro 24, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Campo Arqueológico de Proença-a-Nova reforça internacionalização

Campo Arqueológico de Proença-a-Nova reforça internacionalização
José Lagiosa

O segundo grupo de investigadores que integram o VI Campo Arqueológico Internacional de Proença-a-Nova (CAIPN) já está a trabalhar desde o início de agosto e é composto por 18 jovens provenientes de 17 países da Europa, Ásia e América e 8 arqueólogos.

Este facto veio reforçar a internacionalização deste campo.

A primeira fase das investigações teve resultados muito positivos, mas para o diretor do projeto, João Caninas, “este segundo período tem sido muito importante em termos de internacionalização deste campo”.

Pela primeira vez, o Campo Arqueológico Internacional de Proença-a-Nova recebe um grupo tão diversificado, onde “a grande maioria dos participantes são estrangeiros e nem todos são estudantes de arqueologia, alguns de engenharia, direito, gestão, entre outros”, mas com interesse comum e movidos pela paixão pela arqueologia e pelo trabalho de campo.

À parceria entre Município e a Associação de Estudos do Alto Tejo juntou-se o Instituto Português da Juventude e do Desporto que, desta forma, possibilitou “o salto do campo para a internacionalização”, resultando na participação de mais países que em edições anteriores e “é uma linha que é para prosseguir, não é um objetivo indispensável para a investigação, mas é importante para o desenvolvimento local”, completa João Caninas, ao mesmo tempo que projeta a investigação além-fronteiras.

Oriundos de vários pontos do globo, a opinião é unânime: uma experiência única não só ao nível do conhecimento, mas também do trabalho de equipa e das relações interpessoais, pois possibilitou “conhecer pessoas de diferentes nacionalidades e outras culturas, o que é uma experiência enriquecedora”, afirmou Fernando Torres, estudante mexicano de engenharia.

A nível profissional Rebecca Aker, estudante norte-americana de antropologia, afirma que as expetativas eram altas e que o campo se revelou melhor do que estava à espera e o trabalho em campo foi proveitoso, “pois incide sobre um período que nunca tinha estudado e penso que me dará um bom contributo enquanto estudante e enquanto profissional, e mais experiência prática de trabalho de campo”.

Relativamente aos avanços no estudo da ocupação do território, o diretor do campo revela que há dados novos sobre as características da sepultura megalítica do Cabeço da Anta, explorada desde há cinco anos no contexto deste projeto, e também existe potencial no Castelo do Chão do Trigo, após a primeira intervenção nesta edição e que merecerá a continuação das investigações.

No âmbito da edição deste ano do CAIPN tem vindo a ser realizadas um conjunto de conferências de acesso livre, na Casa das Associações, em Proença-a-Nova, focando várias temáticas que complementam os estudos sobre arqueologia e história.

Amanhã dia 11 de agosto terão lugar as duas últimas palestras.

A primeira, às 16h30, será sobre “Ciência e ficção em Bioarqueologia – modos de ocupar o intervalo entre o passado e o presente” e tem como orador Francisco Curate. Andrea Martins apresentará “Pinturas rupestres esquemáticas – os abrigos do Centro e Sul de Portugal”, às 18h00.

No mesmo dia e inserido nas atividades do “Ciência Viva no Verão em rede 2017”, decorrerá a iniciativa “Património no Verão: à descoberta dos monumentos megalíticos, entre as 9h30 e as 12h30, com acesso gratuito, mas de inscrição obrigatória em www.cienciaviva.pt.

De recordar ainda que inserido neste VI Campo Arqueológico Internacional, Proença-a-Nova receberá o 1º Congresso Internacional de Arqueologia e História “As linhas defensivas entre o século XVII e Napoleão”, dias 1 e 2 de setembro e cujas inscrições terminam a 21 de agosto.

O programa completo e a respetiva inscrição podem ser consultados em http://defensivelinecongress.pt/index.html.

 

 

Comentar