Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Novembro 17, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Seis municípios vão calcular pegada ecológica em projeto promovido pela Zero

Seis municípios vão calcular pegada ecológica em projeto promovido pela Zero
José Lagiosa

Seis municípios portugueses vão calcular a sua pegada ecológica num “projeto inovador a nível mundial”, promovido pela Zero e que conta com a participação de universidades, informou hoje a associação ambientalista.

Os seis municípios – Almada, Bragança, Castelo Branco, Guimarães, Lagoa e Vila Nova de Gaia – vão participar num projeto que tem a duração de três anos e que procura no final ter calculada a pegada ecológica de cada um dos concelhos, bem como a sua biocapacidade (capacidade do ecossistema em produzir os recursos consumidos), disse à agência Lusa o dirigente da Zero Paulo Magalhães.

O projeto vai utilizar o instrumento de cálculo da pegada ecológica de cidades e regiões da Global Footprint Network, contando com a colaboração da Unidade de Investigação em Governança, Competitividade e Políticas Públicas (GOVCOOP) da Universidade de Aveiro, a Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e a Faculdade de Direito da Universidade do Porto.

A iniciativa, que vai ter uma sessão de apresentação na terça-feira, em Vila Nova de Gaia (distrito do Porto), vai arrancar em 2018 e vai permitir que um município calcule a sua capacidade de produção de recursos, mas também aquilo que consome, sublinhou Paulo Magalhães.

Nesse sentido, no final do projeto, serão apresentadas propostas de realocação de verbas do Orçamento do Estado pelos diferentes municípios, tendo em conta a sua contribuição para a capacidade nacional e o seu peso na pegada ecológica do país, frisou, acrescentando que também estarão disponíveis calculadoras nos ‘sites’ das câmaras municipais para qualquer munícipe avaliar a sua própria pegada.

“Ao ser medido localmente, conseguimos dizer que uma CIM [Comunidade Intermunicipal] ou um município contribui com 10% da biocapacidade nacional, mas que só consome 1% ou 2% dos recursos, por exemplo. Há aqui um crédito no contexto nacional que deveria ser compensado”, aclarou o membro da associação ambientalista.

Nesse sentido, se for calculada a pegada biológica e a biocapacidade de cada região ou município, pode-se olhar para o Orçamento do Estado ou para o Produto Interno Bruto de uma outra forma, valorizando “as infraestruturas ecológicas”, sublinhou.

Segundo Paulo Magalhães, “pensar num país diferente implica contas diferentes”.

A adesão ao projeto tem um custo – que se escusou a revelar -, tendo sido contactados entre 30 e 40 municípios.

Qualquer autarquia ou CIM poderá aderir ao projeto, esclareceu.

De acordo com a Zero, o instrumento de cálculo da Global Footprint Network (GFN) já foi utilizado em quase 40 cidades de vários países desde 1996, incluindo cidades como Barcelona, Londres, Manila ou Xangai.

A GFN também já realizou avaliações de pegadas ecológicas para “mais de 200 entidades sub-nacionais em todo mundo”, revela a Zero, em nota de imprensa.

Segundo a Zero, em 2011, Portugal detinha a nona pegada ecológica mais elevada, entre 24 países do Mediterrâneo.

*Lusa / Foto: noticiasaominuto.com

Comentar