Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Setembro 15, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Cinco concelhos do distrito de Faro em risco muito elevado de incêndio

Cinco concelhos do distrito de Faro em risco muito elevado de incêndio
José Lagiosa

Cinco concelhos do distrito de Faro estão hoje em risco muito elevado de incêndio, enquanto outros nove municípios portugueses dos distritos de Faro, Beja, Portalegre, Guarda e Bragança estão sob risco elevado.

Segundo o ‘site’ do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), Loulé, Tavira, Castro Marim, Alcoutim e São Brás de Alportel apresentam um risco muito elevado (o segundo mais alto).

Já os municípios de Penamacor, Sabugal e Figueira de Castelo Rodrigo (distrito da Guarda), Freixo de Espada à Cinta e Torre de Moncorvo (Bragança), Almodôvar (Beja), Gavião e Marvão (Portalegre) e Aljezur (Faro) estão em risco elevado.

Há ainda cerca de seis dezenas de concelhos em risco moderado.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA engloba cinco níveis, que podem variar entre o reduzido e o máximo.

O cálculo é feito com base nos valores observados às 13:00 em cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

O IPMA informou que as temperaturas vão subir até aos 30 graus Celsius entre domingo e quarta-feira: prevê-se uma subida da temperatura do ar para valores máximos entre 25 e 30 graus Celsius e humidades relativas do ar inferiores a 40% no período da tarde nas regiões do interior, até 25 de outubro.

O “tempo quente e seco”, previsto para a próxima semana, oferece as “condições favoráveis à ocorrência e propagação de incêndios florestais”, alertou no sábado a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

As centenas de incêndios que deflagraram no domingo passado, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram 44 mortos e cerca de 70 feridos, mais de uma dezena dos quais graves, segundo o mais recente balanço.

Os fogos obrigaram a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas, sobretudo nas regiões Norte e Centro.

*Lusa

Comentar