Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Outubro 15, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Autarcas do Alentejo Litoral querem falar com António Costa sobre subfinanciamento de hospital

Autarcas do Alentejo Litoral querem falar com António Costa sobre subfinanciamento de hospital
José Lagiosa

Os presidentes dos cinco municípios do litoral alentejano pediram uma audiência ao primeiro-ministro a propósito do “subfinanciamento” do hospital que serve a zona, que dizem estar a contribuir para o “agravamento da qualidade” dos serviços prestados.

O Conselho Intermunicipal do Alentejo Litoral, constituído pelos presidentes das câmaras municipais de Alcácer do Sal, Grândola, Santiago do Cacém e Sines, no distrito de Setúbal, e Odemira, no distrito de Beja, enviou hoje um comunicado à agência Lusa para divulgar a intenção de reunir com o chefe do Governo, António Costa.

“A situação de fragilidade do Hospital do Litoral Alentejano (HLA) e da Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA), que engloba os centros e as extensões de saúde de todo o Alentejo Litoral, tem vindo a degradar-se, podendo, a curto prazo, comprometer ainda mais a prestação dos serviços à população”, alertam.

Para os autarcas, o “subfinanciamento do HLA, cuja capitação define uma transferência de verbas insuficientes e proporcionalmente muito inferiores à esmagadora maioria das restantes unidades hospitalares, repercute-se não apenas ao nível da gestão, mas também na capacidade de atração de recursos humanos”, como médicos, enfermeiros e especialistas.

O presidente da Comunidade Intermunicipal do Alentejo Litoral (CIMAL), Vítor Proença, que é também o autarca de Alcácer do Sal (CDU), já tinha alertado em outubro para o “subfinanciamento” do hospital, com consequências na “falta de recursos humanos”.

“O regime de capitação é muito baixo”, disse o autarca à Lusa, no início de outubro, indicando que o valor é de “513 euros por utente”, quando defende que devia ser “530 euros”.

A CIMAL pediu em outubro uma audiência com “caráter de urgência” ao ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, que não chegou a ser agendada, depois de também o presidente da Câmara Municipal de Santiago do Cacém, Álvaro Beijinha, ter solicitado, dias antes, uma reunião com o secretário de Estado da Saúde, Manuel Delgado.

O Conselho Intermunicipal do Alentejo Litoral recorre agora ao primeiro-ministro com quem quer uma reunião “para alertar para o agravamento da qualidade dos cuidados de saúde prestados pelo HLA”, lembrando que a unidade hospitalar instalada no concelho de Santiago do Cacém “serve 98 mil habitantes”.

*Lusa

Comentar