Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Janeiro 21, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Incêndios: Politécnico de Portalegre lança campanha para angariar árvores de fruto

Incêndios: Politécnico de Portalegre lança campanha para angariar árvores de fruto
José Lagiosa

O Instituto Politécnico de Portalegre (IPP) desafiou hoje a comunidade escolar e a população da região a doar árvores de fruto para ajudar na reflorestação dos concelhos afetados pelos incêndios, na zona do Pinhal Interior Sul.

Intitulada “Plantar para colher”, a iniciativa, que termina no dia 27 deste mês, é promovida pela coordenação interdisciplinar para a investigação e inovação, em parceria com o Centro de Cultura e Desporto do Pessoal do Politécnico de Portalegre.

A porta-voz da campanha, Paula Reis, explicou hoje à agência Lusa que a ação pretende angariar de árvores de fruto, uma vez que “boa parte” dos residentes da zona do Pinhal Interior Sul, sobretudo nos concelhos de Oleiros e Sertã, distrito de Castelo Branco, vive da pequena agricultura.

“Estamos a falar de uma zona em que existe pequena agricultura, em que uma boa parte das pessoas tem como base de alimentação, devido aos seus baixos rendimentos, o cultivo de pequenas hortas e foi nesse sentido que nasceu esta campanha”, disse.

Além das árvores de fruto, o IPP vai também entregar sementes de ervas aromáticas, oriundas de um viveiro instalado na Escola Superior Agrária de Elvas.

A campanha “Plantar para colher” inclui ainda com uma caminhada de sete quilómetros, que vai decorrer no dia 27 deste mês, data em que é assinalado o “Dia do IPP”.

A inscrição para a caminhada é gratuita, mas a organização apela aos participantes a entregar uma árvore de fruto, preferencialmente macieiras, pereiras, laranjeiras, pessegueiros, ameixoeiras, diospireiros e castanheiros.

Os incêndios que a 15 e 16 de outubro atingiram particularmente 27 concelhos da região Centro provocaram 45 mortos e cerca de 70 feridos, destruíram total ou parcialmente cerca de 800 habitações permanentes e cerca de outras tantas casas, quase 500 empresas e extensas áreas de floresta.

*Lusa

Comentar