Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Janeiro 28, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Incêndios: Reabilitação dos cursos de água custa entre 35 e 50 ME – Governo

Incêndios: Reabilitação dos cursos de água custa entre 35 e 50 ME – Governo
José Lagiosa

A reabilitação dos cursos de água nos concelhos afetados pelos incêndios, após 17 de junho, vai custar entre 35 e 50 milhões de euros, anunciou hoje o secretário de Estado do Ambiente.

Carlos Martins falava aos jornalistas nos Paços do Concelho de Figueiró dos Vinhos, à margem da cerimónia de assinatura dos protocolos para limpeza e reabilitação das linhas de água de Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos, Castanheira de Pera, Góis, Pampilhosa da Serra, Penela e Sertã.

Estes sete municípios, nos distritos de Leiria, Coimbra e Castelo Branco, foram devastados pelos fogos de junho, que eclodiram em Pedrógão e Góis e causaram a morte de 64 pessoas e mais de 200 feridos.

Para os incêndios que ocorreram até ao início de setembro, mas já depois de 17 de junho, o Governo tem “uma primeira fase” de intervenção, na qual prevê gastar 6,2 milhões de euros, em 14 municípios do país.

Essa verba está incluída na estimativa dos 35 a 50 milhões necessários para desobstruir e recuperar as linhas de águas nos concelhos atingidos pelos fogos após meados de junho, incluindo os incêndios dos dias 15 e 16 de outubro, que começaram nos municípios de Lousã e Seia, nos distritos de Coimbra e Guarda.

Para já, com a colaboração das autarquias, o Ministério do Ambiente está a promover “um levantamento dos trabalhos a realizar até final de novembro”, nos concelhos de Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos, Castanheira de Pera, Góis, Pampilhosa da Serra, Penela e Sertã, disse aos jornalistas o secretário de Estado do Ambiente.

“Este é um trabalho de grande dimensão” em que, através do Fundo Ambiental, serão aplicados 4,2 milhões de euros, referiu.

Segundo Carlos Martins, “as medidas de prioridade máxima”, no âmbito dos protocolos hoje assinados, terão de ser concretizadas até 31 de dezembro.

No futuro, este conjunto de intervenções “muito nos pode ajudar” face às alterações climáticas, afirmou durante a sua intervenção na cerimónia.

As obras deverão minimizar “os riscos de obstrução das linhas de água, de destruição de infraestruturas e de inundações”, de acordo com uma nota do gabinete do ministro do Ambiente, João Matos Fernandes.

“Que não se perca nem mais um dia”, defendeu hoje Carlos Martins, realçando a necessidade de maior vigilância nos próximos meses, designadamente da parte dos municípios relativamente às “captações superficiais” de água para consumo humano.

Para o presidente da Câmara de Figueiró dos Vinhos, Jorge Abreu, as medidas a concretizar ao abrigo do Fundo Ambiental constituem “mais um passo” para responder às “necessidades” daqueles territórios após os incêndios.

“É crucial que estas medidas venham para o terreno”, sublinhou o autarca do PS.

*Lusa / Foto: João Seguro/observador.pt

Comentar