Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Agosto 18, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

União dos Sindicatos de Castelo Branco marca 8º Congresso para 22 de fevereiro

União dos Sindicatos de Castelo Branco marca 8º Congresso para 22 de fevereiro
José Lagiosa

A União dos Sindicatos de Castelo Branco (USCB) organiza o seu 8º Congresso, a 22 de fevereiro, nas instalações do Nercab no Tortosendo, anunciou Luís Garra em conferência de imprensa realizada ontem em Castelo Branco.

O Congresso da USCB que se realiza a cada quatro anos, é um “momento de retrospetiva e de abordagem das linhas orientadoras para o próximo

Emprego, salário, saúde, proteção social, educação e justiça, entre outras, são algumas das áreas que vão ser abordadas neste Congresso.

“Questões da contratação coletiva, emprego, salários, horários, formação e qualificação ou igualdade de género” vão estar em discussão durante a parte da reunião, afirma Luís Garra.

O coordenador distrital da USCB fez uma abordagem contundente sobre a organização administrativa da região garantindo que “com os trabalhadores, vamos desenvolver o Interior”, reforçando com a convicção que o facto de haver três Comunidades Intermunicipais no distrito de Castelo Branco, não são “uma solução para o desenvolvimento do Interior”.

“Foi um crime criar três Comunidades Intermunicipais para concelhos do distrito”, acrescentou ainda Luís Garra.

“Vamos também analisar o trabalho da Unidade de Missão para a Valorização do Interior”, acrescentou.

O congresso vai funcionar por sessões, com a abertura prevista para as 9h30 com o presidente da Câmara Municipal da Covilhã, Vítor Pereira, a usar da palavra,

De seguida, serão apresentados os programas de ação e o relatório de atividades, e ainda uma eventual discussão acerca dos estatutos do sindicato, já que os mesmos nãi vão ter propostas de alteração por parte da direcção, anunciou Luís Garra.

A sessão de encerramento vai contar com a presença de Arménio Carlos, Secretário-Geral da CGTP.

Durante este quadriénio, Luís Garra recordou que a aquisição da nova sede, na Quinta do Amieiro, foi “a grande conquista”.

Além disso, foi elaborado um plano de emergência, apresentado a todas as autarquias, faltando apenas fazê-lo em Vila Velha de Ródão.

“Este plano tem um conjunto de propostas importantes para o Interior e, a partir daí, os municípios decidirão o que podem aproveitar. O território tem de ser visto de forma uniforme”, avançou.

Luís Garra, durante a conferência de imprensa, revelou ainda que tem um desejo de aproximar o sindicato aos trabalhadores, pois essa é a razão da existência da estrutura, nomeadamente para os servir.

“Temos de adotar medidas, principalmente na zona do pinhal, raia, Vila Velha de Ródão e Fundão”, finalizou.

 

Comentar