8.9 C
Castelo Branco
Quinta-feira, Fevereiro 25, 2021
No menu items!
Início Nacional Ministro do Ambiente mantém confiança na APA para resolver problema do Tejo

Ministro do Ambiente mantém confiança na APA para resolver problema do Tejo

O ministro do Ambiente afirmou hoje a sua confiança no trabalho da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) relacionado com a poluição do Tejo e realçou que a água do rio já cumpre os níveis de qualidade.

“Existindo um problema, estamos a resolvê-lo com a equipa que temos e para isso precisamos de todos e da APA com um papel muito importante neste processo”, acrescentou à margem da sessão de abertura do Congresso do Tejo III – Mais Tejo, mais Futuro, que decorre até sábado em Lisboa.

O ministro respondia a uma pergunta dos jornalistas sobre se ainda tem confiança na APA, depois de o Bloco de Esquerda ter defendido, na quinta-feira, a demissão do presidente da APA, Nuno Lacasta, caso haja responsabilidades deste organismo público na revisão da licença de 2016 à Celtejo, que permitiu “triplicar” os valores de descarga de efluentes no rio Tejo.

“Há que saber de quem foi a má ideia de triplicar” os valores de descarga de efluentes no rio Tejo à empresa de celulose Celtejo aquando da revisão da licença em 2016, disse o deputado do BE Carlos Matias, acrescentando que, se foi uma ideia do ministro do Ambiente, há responsabilidades políticas, e “se foi uma ideia do senhor presidente da Agência Portuguesa do Ambiente, então este tem que se demitir”.

Durante a sua intervenção na abertura do Congresso, o ministro do Ambiente afirmou que acontecimentos como aquele que sucedeu a 24 de janeiro, quando um manto de espuma branca, com cerca de meio metro, cobriu o rio Tejo na zona de Abrantes, já tinham ocorrido.

“Estou orgulhoso do que fizemos”, salientou o governante, referindo o trabalho das autarquias, da APA, da Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAMAOT) e da EPAL.

Matos Fernandes garantiu ainda que o rio já recuperou a qualidade da água.

“Chegámos ao dia de ontem [quinta-feira] e nenhum ponto de amostragem de rede”, desde fronteira até Constância,”tinha menos de sete miligramas de oxigénio, sendo que a jusante do Zêzere havia mais do que nove miligramas, resumiu o ministro perante os participantes no congresso.

“Temos que garantir que assim será no futuro”, disse João Matos Fernandes, o que, segundo o ministro, passa por assegurar que serão definidos novos formatos de licenças para as indústrias que lançam efluentes no rio, as quais têm de ser adaptadas à capacidade de absorção, que varia no tempo.

O ministro reforçou ainda que “o problema de poluição está resolvido e há vários dias que a qualidade da água do Tejo é boa e a concentração de oxigénio por litro ultrapassa largamente o mínimo exigível”.

“Esta batalha está claramente ganha”, concluiu.

O foco de poluição no rio Tejo levou à realização de ações de inspeção extraordinárias nos concelhos de Abrantes e de Mação, estando ainda por identificar a origem do problema, mas o Ministério Público tem uma investigação em curso.

*Lusa

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: