23.9 C
Castelo Branco
Terça-feira, Setembro 29, 2020
No menu items!
Início Internacional BE relembra razões de 8 de março ser assinalado como Dia Internacional...

BE relembra razões de 8 de março ser assinalado como Dia Internacional dos Direitos das Mulheres

No dia 8 de março celebra-se o Dia Internacional dos Direitos das Mulheres.
Neste dia, evocam-se e atualizam-se as lutas travadas por tantas mulheres, em todo o mundo e ao longo de décadas, defendendo direitos civis, laborais e sociais, educação, autodeterminação e liberdade sexual. Defendendo dignidade e justiça, muitas vezes, perdendo a vida nesses processos;
Em 1910, Carla Zetkin sugeriu, na 2ª Conferência Internacional das Mulheres Socialistas, que o Dia 8 de março fosse considerado o Dia da Mulher.

Dia da Mulher-história

Desde então, este dia foi sendo celebrado em diversos países e, em 1975, a Organização das Nações Unidas (ONU) assinalou pela primeira vez o Dia Internacional da Mulher.
Tantos anos após a primeira vez em que este dia foi celebrado, a sua pertinência mantém-se. Refira-se, por exemplo, que a taxa de alfabetização das mulheres no mundo continua a ser inferior à dos homens (80% por contraponto a 89% dos homens) ou que cerca de 700 milhões de mulheres casaram antes dos 18 anos de idade, sendo que cerca de 1/3 destas mulheres casou com menos de quinze anos de idade (in Beijing+20 da ONU).
“Em Portugal, as desigualdades são também bem patentes. As mulheres continuam a receber salários mais baixos do que os homens: em média, ganham menos 16,7% de salário base (e menos 20 a 28% de salário, se tivermos em conta os ganhos relativos a prémios e bónus), o que significa que precisam de trabalhar mais 2 meses por ano para ganharem o mesmo (dados da CITE). Das pessoas que ganham o salário mínimo nacional, 53,6% são mulheres” lembram os bloquistas em comunicado.
“Por outro lado, os lugares de chefia continuam masculinizados. De facto, das 220 pessoas que compõem os conselhos de administração das empresas do PSI-20, só 33 são mulheres, o que representa 15% do total”, acrescenta o BE.
As mulheres são mais afetadas pela precariedade laboral, pelo desemprego e pela pobreza (sabe-se que uma em cada cinco mulheres é pobre). Além disto, continuam a suportar uma dupla jornada de trabalho, e a conciliação da vida familiar e profissional continua a ser encarada como uma responsabilidade que incumbe mais à mulher.
As mulheres continuam a ser as principais vítimas de violência doméstica, sexual e de género persistindo a situação ignóbil das mulheres mortas pelos seus atuais ou ex-companheiros.
Segundo dados da União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR) e do Observatório das Mulheres Assassinadas (OMA), entre 2004 e 2016 registaram-se 428 homicídios e 497 na forma tentada. Em 2017, foram verificados 1,6 homicídios por mês, e 23 foram vítimas de tentativa de homicídio no mesmo ano.
O Dia Internacional da Mulher celebrado em 8 de março tem como origem as manifestações das mulheres por melhores condições de vida e trabalho

No que respeita à atividade política, a participação de mulheres tem ainda um longo caminho a percorrer. Vejamos, por exemplo, o resultado das eleições legislativas de 2015, que apenas cumpre os mínimos determinados pela Lei da Paridade: com uma taxa de 34%, em 230 lugares, há apenas 76 deputadas eleitas
As políticas locais não podem ignorar esta realidade. Por mais que a lei tenha avançado, as mulheres continuam a ser vítimas de violência e de estereótipos ultrapassados – vítimas da dupla jornada de trabalho, da precariedade, das violências de género, de crimes sexuais; vítimas, ainda, de múltiplas formas de discriminação como o racismo, a xenofobia e a negação do direito fundamental à autodeterminação de género e sexual, entre outras.
No dia 8 de março, celebram-se e reafirmam-se as lutam feministas.
“Saudamos o Dia Internacional dos Direitos das Mulheres e apelamos à participação em todas as comemorações e iniciativas associadas a esta celebração, agendadas para este dia e no mês de março, por todo o país.
Saudamos todas as lutas, organizações e movimentos feministas.
Saudamos todas as pessoas que, ativa e empenhadamente, lutam por uma sociedade mais igual, mais justa e contra todas as discriminações”., conclui o mesmo documento.
 
 

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

Covid-19: Santa Clara – Gil Vicente vai ser o primeiro jogo da I Liga com público

O jogo Santa Clara – Gil Vicente, da terceira jornada da I Liga de futebol, vai ter uma assistência de 1.000 pessoas,...

Museu de Arte e Arquitetura gratuito no fim de semana e feriado pelo 4.º aniversário

Visitas guiadas a exposições, música, teatro, conversas e oficinas compõem a programação dos três dias de celebrações do 4.º aniversário do Museu...

João Morgado vence 13.ª edição do Prémio Nacional de Conto Manuel da Fonseca com a obra “Contos de Macau”

Câmara Municipal de Santiago do Cacém  Já é conhecida a obra vencedora da 13.ª Edição do Prémio Nacional...

Escolas Doutorais, pandemia e orçamento estiveram em discussão no Conselho Geral da UC

O orçamento da Universidade de Coimbra (UC) e dos Serviços de Ação Social da Universidade de Coimbra (SASUC), o impacto da pandemia...

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: