20.6 C
Castelo Branco
Domingo, Setembro 27, 2020
No menu items!
Início Nacional Investigador aponta necessidade de preparar rios para cheias ou seca

Investigador aponta necessidade de preparar rios para cheias ou seca

O especialista em reabilitação de rios Pedro Teiga afirma que as alterações climáticas vão tornar eventos como a seca e as cheias “cada vez mais extremos e frequentes”, devendo os cursos de água ser preparados para essas situações.

“Temos de preparar os nossos rios já não somente para um funcionamento e caudal normais, mas dar-lhes força e capacidade de resistir aos impactos” provocados pelas secas e cheias, frisou, em entrevista à Lusa, o investigador do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) da Universidade do Porto.
Segundo Pedro Teiga, a utilização humana destes recursos naturais originou episódios de pressão, cortes da vegetação ribeirinha, descargas de poluição e construções em cima dos seus leitos, tendo estes perdido a capacidade de se autorregenerarem e de responderem aos efeitos das alterações climáticas
No entanto, ressalvou, todo este sistema poderá trabalhar de forma positiva se agora se fizer o trabalho contrário, “criando células e processos de reabilitação a médio e longo prazo”, dotando “os rios de espaços para inundação” e “recargas juntos às cabeceiras e ao longo das margens, com a vegetação ribeirinha a funcionar como corredor ecológico, e “potenciando a fixação de água e evitando evapotranspiração”.
“Normalmente, quando os rios estão em situação de cheia ou de seca, aparecem como os maus da fita, mas a culpa não é do rio, por si só. O rio está dentro de um sistema, que é de leis naturais, do qual nós, como seres vivos, fazemos parte. Temos de entender as leis naturais e respeitá-las”, disse.
De acordo com o engenheiro ambiental, enquanto seres vivos, os cidadãos fazem parte das transformações despoletadas pelas alterações climáticas, sendo responsáveis por decisões que influenciam, entre outros aspetos, a qualidade da água dos rios e dos produtos e bens que dependem da mesma, como é o caso dos alimentos.
“As minhas pequenas decisões vão influenciar a qualidade da água dos nossos rios e todo o seu funcionamento, nomeadamente [no que respeita] ao tipo de alimentos que colocamos no prato, de onde vêm e qual é o sistema agrícola [utilizado na produção], se é sustentável ou não”, indicou.
Pedro Teiga acredita que o ser humano está perante uma mudança de paradigma em termos de mentalidade, devendo, por isso, estar atento aos eventos da natureza e “não viver numa cidade e numa aldeia em que não se interessa como vai ser o dia de amanhã, se vai chover ou se vai estar sol”.
O investigador considera ainda que só com o cumprimento das normas estabelecidas para preservação e recuperação dos rios será possível contornar os danos e os problemas causados às populações pelo agravamento desse tipo de eventos.
*Lusa / Foto: Paulo Cunha / Lusa

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

Covid-19: Festas de Natal e Fim do Ano na Madeira vão acontecer com adaptações

O secretário do Turismo da Madeira afirmou hoje que os concursos para as tradicionais festas de Natal e Fim de Ano na...

21 x 365 = 7665 Dias Alma Azul – Bem Hajam

Professor Joaquim Martins Há pessoas que nos marcam para sempre; ou porque partilhámos Leituras e momentos felizes; ou...

Paulo Bento substitui Santana Lopes na liderança do partido Aliança

O antigo vereador da câmara de Torres Vedras Paulo Bento substitui hoje Pedro Santana Lopes como presidente do partido Aliança após a...

TOOLTO lança Solutioneer, nova plataforma para regularização de sinistros

A TOOLTO – Super Assistência, start-up portuguesa da área dos serviços de mobilidade e Insurtech, acaba de lançar a nova plataforma Solutioneer, que acelera...

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: