16.7 C
Castelo Branco
Terça-feira, Setembro 29, 2020
No menu items!
Início Cultura Ana Margarida de Carvalho afirma no Fronteira que “Saramago é uma voz...

Ana Margarida de Carvalho afirma no Fronteira que “Saramago é uma voz que faz falta ao país”


A sexta edição do Fronteira-Festival Literário de Castelo Branco fez, esta tarde sábado, uma avaliação do que mudou, ou não, vinte anos passados sobre a atribuição do Prémio Nobel a José Saramago.
Três mesas de debate discutiram e analisaram, se alguma coisa mudou, na literatura portuguesa, passados esses 20 anos, se “ a lusofonia é uma ficção” e se e quais “os autores de língua portuguesa se perfilam como potenciais Nobel?”
O auditório da Biblioteca Municipal, desta vez foi grande de mais para os pucos albicastrenses que brindaram os convidados com a sua presença.
Temos acompanhado todas as seis edições do Fronteira e nunca vimos algo parecido.
Não obstante, a contrariedade, os debates foram vivos e intensos com a primeira mesa de debate, constituída pelas jornalistas, Ana Margarida de Carvalho e Isabel Lucas e moderação de João Céu e Silva a discutirem as mudanças, se as houve, na literatura portuguesa durante estes 20 anos que passaram sobre a atribuição do Nobel a José Saramago.
“Mudou, porque foi o Saramago. A amplificação foi feita devida a ele”, assegura Ana Margarida de Carvalho.
Para tanto, terá contribuído o facto de “Saramago ter viajado pelo mundo, após o Nobel, divulgando a literatura portuguesa. Género Papa que teve uma notoriedade enorme” constata a jornalista, para reforçar de imediato a ”importância gigantesca ter sido o Saramago”
“Saramago é uma voz que faz falta ao país”, concluiu.
Já Isabel Lucas questiona se se deve falar de literatura portuguesa ou de literatura de língua portuguesa.
“Saramago aproveitou o prémio Nobel para passar a sua mensagem política”, refere Isabel Lucas.
“Saramago, a par de Pessoa é o autor português mais traduzido no mundo. Entretanto, após a sua morte, têm-se esvanecido o impacto da atribuição do Nobel a Saramago. Pode-se discordar do pensamento político dele [Saramago] e gostar-se da sua literatura”, acrescentou.
Recorde-se que José Saramago conquistou o Prémio Nobel, quando já tinha oitenta anos.
Foto: Beiranews
 

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

Presidente do Município reconhece apoio das farmácias à comunidade durante a pandemia

O Presidente da Câmara Municipal de Oleiros, Fernando Jorge, visitou esta sexta-feira, a Farmácia Xavier Gomes, no Orvalho.

Investigador da UC distinguido com prémio internacional

João Peça, investigador do Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra (CNC-UC), foi distinguido com o “IBRO 2020 Early...

Ponto de Vista… por António Justo

Ursula von der Leyen, a Presidente da União Europeia, médica, mãe de sete filhos, que para proteger as gravidezes não bebia álcool...

Covid-19: Associação quer profissionais de cuidados paliativos nas equipas multidisciplinares

A Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos defende que os profissionais desta área devem estar mais presentes nas equipas que assistem doentes com...

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: