22.2 C
Castelo Branco
Quarta-feira, Setembro 30, 2020
No menu items!
Início Nacional Comunicação social deve ser independente, forte e de qualidade face a redes...

Comunicação social deve ser independente, forte e de qualidade face a redes sociais

As redes sociais colocam desafios enormes à política e à comunicação social, que deve ser independente, forte e de qualidade, para permitir o contraste entre o falso e o verdadeiro, defendeu este sábado o primeiro-ministro.

“Se há algo que é absolutamente claro, é que a emergência das novas redes sociais coloca sérios desafios à política, mas também enormes desafios aos órgãos de comunicação social”, afirmou António Costa.
O chefe do executivo falava em Lisboa, na abertura do Festival Visão, a assinalar os 25 anos da revista, que decorre até domingo, com várias iniciativas como debates, exposições e ‘workshops’.
O facto de haver redes sociais e maior liberdade de expressão “torna cada vez mais necessário podermos ter órgãos de comunicação social que sejam independentes, quer do poder político, quer do poder económico, que sejam fortes do ponto de vista social e da sua capacidade de influenciar a formação da opinião, que sejam assegurados por profissionais competentes e com uma deontologia robusta”, realçou o governante.
Para António Costa, a melhor forma de defesa das ‘fake news’ é ter uma “comunicação social de qualidade” que permita fazer “o contraste entre o que é falso e o que é verdade, ou pelo menos a busca da verdade”.
Isto exige algo que as redes sociais não fazem, ou seja, que os órgãos de comunicação social “assegurem o contraditório, porque só no contraditório nos podemos aproximar da verdade”, acrescentou.
“Quanto mais redes sociais nós tivermos, mais necessitamos de órgãos de comunicação social que sejam o garante da qualidade da informação”, resumiu o primeiro-ministro.
A existência de bons órgãos de comunicação social, afirmou, “é essencial” para o futuro da democracia.
António Costa disse ainda que a fragilidade social e financeira dos órgãos de comunicação social, a limitação da dimensão das redações e o seu empobrecimento qualitativo, em termos da diversidade dos saberes, e “a precaridade nas relações de trabalho no jornalismo enfraquecem a qualidade da comunicação social e são uma ameaça séria a termos uma democracia bem informada”.
*Lusa / Foto: MANUEL DE ALMEIDA

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

P-BIO lança Clube de Mentores para impulsionar o setor da biotecnologia em Portugal

A Associação Portuguesa de Bioindústria (P-BIO) acaba de lançar o BioMentors Club, com o objetivo de apoiar o desenvolvimento de novos projetos...

Ekaitz Etxeberría Gallastegi vence a 3.ª edição do Prémio Jovens Investigadores da Associação Ibérica de História Militar

A Associação Ibérica de História Militar, séculos IV-XVI (AIHM), liderada por João Gouveia Monteiro, professor catedrático da Faculdade de Letras da Universidade...

Feiras e Mercados semanais do Concelho da Sertã com alteração das datas de realização

À semelhança do que tem sucedido anteriormente, as feiras e mercados semanais em Cernache do Bonjardim e na Sertã que coincidam com...

Vila de Rei aprova plano de limpeza e higienização de reservatórios de armazenamento de água

A Assembleia Municipal de Vila de Rei aprovou, sob proposta do Executivo Municipal, o Plano de Limpeza e Higienização de reservatórios destinados...

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: