11.3 C
Castelo Branco
Sábado, Fevereiro 27, 2021
No menu items!
Início Internacional Parlamento vai ouvir PGR sobre regime legal de adoções de crianças

Parlamento vai ouvir PGR sobre regime legal de adoções de crianças

O parlamento aprovou hoje a audição da Procuradora-Geral da República, na comissão de Assuntos Constitucionais, na sequência do relatório sobre a petição acerca das alegadas adoções ilegais pela Igreja Universal do Reino de Deus (IURD).

A audição de Joana Marques Vidal foi aprovada por unanimidade, ficando ainda em aberto a audição de mais entidades relacionadas com a adoção de crianças e a eventualidade de continuarem, ainda hoje, a não respeitar-se as regras.
O PSD, através da deputada Teresa Morais, autora do relatório sobre a petição que pede uma comissão de inquérito às alegadas adoções ilegais pela IURD na década de 1990, admitiu a necessidade de ouvir outras entidades, como a tutela da Segurança Social ou responsáveis da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.
O CDS, que apoia a proposta do PSD, entregou já um projeto de lei para a criação de um Comissão Técnica Independente, à semelhança da que existiu para os incêndios, avaliar procedimentos no caso das adoções da IURD.
A discussão sobre se a Assembleia da República vai ou não ouvir mais entidades ficou remetida para mais tarde, nomeadamente quando for discutido o projeto do CDS.
A proposta de audição da procuradora foi feita, em 18 de abril, pela deputada socialista Catarina Marcelino na reunião da Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, na Assembleia da República, em que o relatório de Teresa Morais, do PSD, sobre a petição foi aprovado por unanimidade.
O caso das alegadas adoções ilegais de crianças portugueses por pessoas ligadas à Igreja Universal do Reino de Deus, com sede no Brasil, começou com uma série de reportagens na estação de televisão TVI, intituladas “Segredos dos Deuses”.
Em janeiro, realizaram-se vigílias em vários pontos do país, incluindo em frente à Assembleia da República, em Lisboa, em que se exigia a criação de uma comissão de inquérito sobre este caso, tendo-se recolhido milhares de assinaturas para a petição “Não Adoto esse Silêncio”.
Tratando-se de uma petição, qualquer iniciativa depende dos grupos parlamentares e, neste caso, segundo a lei, um inquérito parlamentar tem que ser proposto por um quinto dos deputados.
*Lusa / Foto: MadreMedia

Leave a Reply

- Advertisment -

Most Popular

COMENTÁRIOS RECENTES

Paula Alexandra Farinha Pedroso on Elias Vaz lança livro sobre lendas e mitos de Monsanto
%d bloggers like this: