Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Dezembro 13, 2019

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Ministro afirma que Centroliva não tem condições para funcionar

Ministro afirma que Centroliva não tem condições para funcionar
José Lagiosa

O ministro do Ambiente afirmou hoje que a Centroliva não tem condições estruturais para funcionar e que, por esse motivo, foi decretado o encerramento da fábrica de Vila Velha de Ródão.

“A Centroliva não tem condições estruturais para poder desenvolver a atividade que desenvolve”, disse o ministro João Pedro Marques Fernandes, explicando que, em contrapartida, a Celtejo, com a ETARI [Estaçao de Tratamento de Águas Residuais Industriais] que fez, tem condições estruturais para desenvolver essa atividade”.

O Governante, que falava aos jornalistas, em Vila Velha de Ródão, à margem de uma sessão de apresentação do plano de valorização do Parque Natural do Tejo Internacional (PNTI), adiantou que a ETARI da Celtejo, está a funcionar “muito melhor” do que há dois meses e tem todas as condições estruturais para funcionar.

“É preciso é definir regras, acompanhá-las, monitorizá-las e garantir que elas são cumpridas. Relativamente à Centroliva, aquela fábrica que ali está não tem condições para poder laborar e, por isso, foi decretado o seu encerramento”, sustentou.

Questionado sobre o recurso que a centroliva já anunciou face à decisão da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) de determinar o seu encerramento e o pagamento de uma coima de 300 mil euros, o ministro foi taxativo: “Fico feliz por viver num Estado de direito onde as decisões administrativas podem ser sindicadas junto dos tribunais. Acreditamos mesmo que temos toda a razão e que essa razão nos vai ser dada”.

João Pedro Matos Fernandes adiantou que estão a ser reavaliadas 40 licenças de rejeição de efluentes no rio Tejo e que estas foram divididas em três grupos.

“Estamos a reavaliar 40 licenças de rejeição de efluentes no Rio Tejo. Já agora, todas essas licenças são licenças de efluentes tratados. Essas 40 dividimo-las em três grupos. O primeiro grupo sao as três licenças das indústrias do papel aqui de Vila Velha de Ródão”, disse.

O segundo grupo integra sete estações de tratamento de águas residuais urbanas e indústriais, sendo que a maioria são urbanas.

As restantes 30 licenças são de menor dimensão e situam-se já na bacia hidrográfica do rio Tejo.

O governante explicou ainda que em relação às três licenças das industrias do papel situadas em Vila Velha de Ródão, cumprem aquilo que foi anunciado recentemente, pelo primeiro-ministro António Costa, na Assembleia da República.

*Lusa

Comentar