Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Janeiro 29, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

“Armada” Lusa desembarca no Lisboa Belém Open

“Armada” Lusa desembarca no Lisboa Belém Open
José Lagiosa

Quatro tenistas portugueses com entrada directa na segunda edição do challenger alfacinha, onde irão estar igualmente um ex-top 10, seis ex-Top 100 e três top 20 da actual NextGen do ATP World Tour

Gastão Elias, Pedro Sousa, João Domingues e Gonçalo Oliveira lideram a representação portuguesa na segunda edição do Lisboa Belém Open.

O torneio, pontuável para o ranking ATP, distribui um total de 43 mil euros em prémios monetários e decorre entre 12 e 20 de Maio nos courts do Club Internacional de Foot-ball (CIF).

Gastão Elias (111.º no ranking ATP) é o mais cotado entre os lusos e com mais palmarés no Challenger Tour, com sete torneios conquistados, o último dos quais no ano passado.

Mas foi em Outubro de 2016 que atingiu a melhor classificação de sempre: 57.º.

Este ano, o número dois português no ranking mundial continua a alternar a frequência do Challenger Tour com a do ATP World Tour, tendo já ultrapassado por duas vezes a fase de qualificação, em Buenos Aires e Rio de Janeiro.

Na época passada, Pedro Sousa (118.º) foi o mais velho a estrear-se no palmarés do Challenger Tour, ao triunfar em Francavilla, com 28 anos.

Gastão Elias / Foto: Lusa

Esse terceiro título no Challenger Tour levou-o, no final do ano, às portas do top 100, ao 102.º posto.

Problemas físicos têm impedido uma ascensão regular do tenista lisboeta, cujo talento nunca foi posto em causa, como ficou comprovado bem recentemente, ao obrigar o futuro campeão do Millennium Estoril Open, João Sousa, a três sets bem suados, na segunda ronda.

João Domingues (190.º) continua a ameaçar integrar o circuito principal, tendo mesmo ultrapassado por três vezes o qualifying de eventos do ATP World Tour, a última das quais na semana passada, no Millennium Estoril Open.

Com 7 futures e um challenger no palmarés, Domingues mantém-se na linha da frente dos candidatos a estrearem-se no top 100.

Gonçalo Oliveira encerra a lista de inscritos que, este ano, fechou no 212.º lugar – 30 lugares á frente do último a entrar directamente em 2017.

Depois de ter entrado pela primeira vez no top 200 no final de 2017, o tenista portuense pretende fixar-se no Challenger Tour, após triunfar por seis vezes em torneios Future, quatro das quais no ano passado.

A rivalizar com a “armada” lusa está o contingente austríaco, que traz á capital portuguesa Gerald Melzer (116.º) – que já foi 68.º e conta com 7 títulos challenger no palmarés –, Sebastian Offner (136.º) e Denis Novak (195.º).

No fecho das inscrições (23 de Abril) o mais cotado era o sérvio Laslo Djere, no 102.º posto.

O tenista de 22 anos conquistou o seu primeiro Challenger”no ano passado, em Perugia, depois de já ter averbado nove triunfos em torneios da categoria Future.

Mas esses resultados foram ultrapassados na semana passada, com a estreia em meia-finais do ATP World Tour, em Istambul, colocando Djere muito perto de reentrar no top 100 do ranking mundial, onde já ocupou o 85.º posto, em Janeiro último.

Na lista de inscritos para o Lisboa Belém Open sobressaiem vários nomes da nova geração do circuito profissional masculino, com destaque para Alex de Minaur (114.º).

O australiano saiu do anonimato no início da época, ao atingir as meias-finais em Brisbane e a final em Sydney.

Esses bons resultados conduziram-no á seleção australiana da Taça Davis, capitaneada pelo seu antigo ídolo Lleyton Hewitt, com quem jogou pares no Millennium Estoril Open – e onde também passou uma ronda no quadro de singulares.

Radicado em Espanha, ‘Demon’ (como é conhecido) ocupa actualmente o sexto lugar da Road to Milan, o ranking dos menos de 22 anos, que apura os oito jogadores da nova geração que irão disputar o respectivo Masters (NextGen ATP Finals), em Milão.

Do top 20 da NextGen, vêm até nós o espanhol Jaume Munar (174.º) e o sérvio Miomir Kecmanovic (201.º). 

Ténis

Munar foi terceiro do ranking mundial júnior em 2016 e é o mais jovem do seu país entre os 170 primeiros do ranking mundial. Estrou-se a triunfar no Challenger Tour no ano passado, depois de vencer dois futures e, há duas semanas, eliminou João Sousa em Barcelona.

Outros nomes da nova geração, são os do canadiano de 17 anos, Felix Auger-Aliassime (186.º), e o do australiano de 20 anos, Akira Santillan (193.º). 

Depois de criar enormes expectativas no circuito mundial júnior (finalista em Roland Garros e campeão do US Open, em 2016), Auger-Aliassime tornou-se num fenómeno de precocidade no Challenger Tour, ao tornar-se no primeiro tenista nascido no século XXI a conquistar um título, em Lyon, com 16 anos.

Pouco tempo depois, já com 17 anos (e um mês) conquistou o challenger de Sevillha, o segundo título nesta categoria.

A contrastar com a juventude, destaque para dois veteranos, à procura de reocupar um lugar entre os melhores.

O francês Stéphane Robert (169.º), que fará 38 anos durante o Lisboa Belém Open, já esteve na 50.ª posição da hierarquia mundial, em Outubro de 2016.

Este ano, tornou-se no segundo tenista mais velho de sempre a conquistar um título no Challenger Tour ao vencer, em Burnie (Austrália), com 37 anos e oito meses – em 2018, já houve oito challengers ganhos por “trintões; na época passada, foram 34.

Mais conhecido é o espanhol Tommy Robredo (211.º), de 36 anos. O tenista catalão apresenta um currículo invejável: 12 títulos de singulares no ATP World Tour (em 23 finais realizadas) e cinco em pares (em 11 finais), tendo ocupado o quinto lugar do ranking ATP, em Agosto de 2006.

Robredo tenta recuperar no ranking após problemas físicos que lhe minaram o início das duas últimas épocas, tendo voltado ao Challenger Tour, onde conta com quatro troféus, o primeiro dos quais conquistado em Portugal (Espinho, em 2000).

LISTA DE INSCRITOS (rankings de 23 de Abril)

  1. Laslo Djere (Sérvia) 102.º
  2. Gastão Elias (Portugal) 111.º
  3. Alex de Minaur (Austrália) 114.º
  4. Gerald Melzer (Áustria) 116.º
  5. Pedro Sousa (Portugal), 118.º
  6. Sebastian Offner (Áustria) 136.º
  7. Marcelo Arevalo (El Salvador) 142.º
  8. Liam Broady (Grã-Bretanha) 157.º
  9. Stéphane Robert (França) 169.º
  10. Hugo Dellien (Bolívia) 172.º
  11. Jaume Munar (Espanha) 174.º
  12. Evan King (EUA) 185.º
  13. Felix Auger-Aliassime (Canadá) 186.º
  14. Gleb Sakharov (França), 187.º
  15. João Domingues (Portugal) 190.º
  16. Akira Santillan (Austrália) 193.º
  17. Denis Novak (Áustria) 195.º
  18. Miomir Kecmanovic (Sérvia) 201.º
  19. Ricardo Ojeda Lara (Espanha), 207.º
  20. Renzo Olivo (Argentina) 210.º
  21. Tommy Robredo (Espanha) 211.º
  22. Gonçalo Oliveira (Portugal) 212.º

Alternates

Soonwoo Kwon (Coreia do Sul) 215.º

Pedja Krstin (Sérvia) 216.º

Adam Pavlasek (Rep. Checa) 218.º

Christian Garin (Chile) 220.º

Thomaz Bellucci (Brasil) 222.º

Mitchell Krueger (EUA) 223.º

Daniel Gimeno-Traver (Espanha) 225.º

Pedro Martinez (Espanha) 226.º

O quadro fica completo com quatro jogadores apurados do qualifying, que decorrerá nos dias 12 e 13 de Maio, e quatro “wild-cards”, cujos destinatários serão anunciados naApresentação Oficial do Lisboa Belém Open, dia 10 (quinta-feira), às 11h (convite em anexo).

Há ainda espaço para dois “special exempts” que, caso não surjam, darão lugar aos primeiros da lista de Alternates.

 

 

 

 

 

 

Comentar