Image Image Image Image Image Image Image Image Image Image
       

BeiraNews | Abril 2, 2020

Ir para o Topo

Topo

Sem Comentários

Jardim Episcopal de Castelo Branco classificado como monumento nacional

Jardim Episcopal de Castelo Branco classificado como monumento nacional
José Lagiosa

O Conselho de Ministros aprovou hoje o decreto que amplia a classificação como monumento nacional do Paço Episcopal de Castelo Branco, que passa a incluir o Jardim Episcopal e o passadiço.

O dossiê para a ampliação da classificação como monumento nacional do Paço Episcopal de Castelo Branco estava em curso desde outubro de 2017, através da Direção-Geral do Património, que propôs ao ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, a classificação, de modo a incluir o Jardim Episcopal e o passadiço.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Câmara de Castelo Branco, Luís Correia, mostrou-se satisfeito com a aprovação desta classificação por parte do Conselho de Ministros.

“Vemos com muita satisfação esta aprovação do Conselho de Ministros. Até porque, ao nível do turismo, o Paço Episcopal é importantíssimo para nós. A ampliação da classificação como monumento nacional vem ajudar Castelo Branco na promoção turística”, afirmou.

O autarca realça a estratégia cultural e de valorização do património que o município tem desenvolvido nos últimos anos e adianta que o Paço Episcopal é um dos principais patrimónios históricos edificados que existe em Castelo Branco.

O Paço Episcopal, hoje Museu Francisco Tavares Proença Júnior, localiza-se a norte do núcleo mais antigo de Castelo Branco, nas proximidades do Convento de Nossa Senhora da Graça.

O jardim retangular surge articulado em três terraços delimitados por balaustradas e gradeamentos que comunicam através de escadarias.

Nos muros delimitadores do jardim surgem painéis azuis e brancos de azulejo figurativo representando várias vistas de Castelo Branco.

O terraço intermédio bordejado por buxos talhados apresenta planta retangular e três eixos longitudinais, possuindo, o do meio, um tanque central e os laterais tanques nos ângulos.

Estes tanques, por sua vez, possuem repuxos e todo o recinto encontra-se povoado por estatuária de vulto em granito, destacando-se as alegóricas e as dos reis portugueses.

Para além da zona do designado “Jardim Alagado” formado por um tanque de planta quadrilátera irregular, existe ainda um terraço superior sobranceiro a todas as áreas.

*Lusa /

Comentar